A Estrada de Bimini: um mistério por resolver

0
3113
O mistério da Ilha de Bimini
O mistério da Ilha de Bimini

Bimini é um dos 32 distritos das Bahamas. A sua localização é a noroeste da capital do arquipélago Nassau. Engloba as ilhas de Bimini e Berry Islands. Situa-se a 55 quilómetros a leste de Miami, Flórida, com cerca de 7 milhas de comprimento e 1/3 de milha de largura no seu ponto mais largo. Está localizada, portando, no vértice mais ocidental do «Triângulo das Bermudas».

Os seus habitantes modernos são descendentes de escravos do Oeste Africano importados pela Espanha e Grã-Bretanha no início e em meados do Século XVI. Substituíram os caribenhos residentes, que chegaram apenas algumas gerações antes e depois do Mar do Caribe ter sido nomeado com esse nome.

Nativos canibais belicosos do continente da América Central: os Caribes, banqueteavam-se com os primeiros habitantes da ilha conhecidos, os Lucayans, um ramo da linguística dos índios Arawak

A Estrada de Bimini é uma formação geológica peculiar localizada perto da costa da ilha Bimini. É uma fiada quase recta, com cerca de 800 metros de extensão, formada de blocos aproximadamente rectangulares de calcário. Essa regularidade levou à formulação de várias teorias sobre a suposta origem artificial dessa “estrada” e ligando-a ao mito da Atlântida e aos mistérios do Triângulo das Bermudas.

Mapa das Bahamas
Localização de Bimini, nas Bahamas, próximo à costa da Florida (EUA)

Antes do seu extermínio (ou consumo?), os Lucayans foram descritos por exploradores espanhóis como artesãos capazes (sobreviventes Lucayans celtas e martelos de pedras atestam as suas refinadas habilidades), com pele visivelmente mais leve e cabelos ruivos, tendo mesmo olhos azuis ocasionalmente. Essas características atípicas podem ter sido os traços genéticos de contactos com visitantes da Europa da era pré-colombiana, ou ainda evidências raciais de um pedigree genético do continente da Atlântida. A origem e o significado do nome “Bimini” são desconhecidas.

Bimini
Bimini

No entanto, o nome aparece no idioma egípcio antigo como Baminini, o que significa, “Homenagem (Ini) para a Alma (bah) de Min.” Min era o protector divino dos egípcios de viajantes de longas viagens a locais distantes, um deus particularmente apropriado para ser adorado na Bimini distante, se de facto a ilha tivesse sido visitada por viajantes egípcios do Vale do Nilo.

Provas materiais de uma visita egípcia ou, pelo menos, da presença egípcia no Atlântico ocidental surgiram durante o final dos anos 1930, quando James Lockwood, Jr., um arqueólogo americano no Haiti, viu uma estátua de pedra do antigo deus egípcio dos mortos, Anúbis, que havia sido descoberta numa ilha ao largo da costa. Os Lucayans conheciam Bimini como «Guanahani», outra conexão curiosa com o Mundo Antigo, pois o nome pode ser traduzido como “a Ilha (hani) dos Homens (Guana)” na língua dos guanches. Estes foram os habitantes nativos das ilhas Canárias, ao largo da costa noroeste da África do Norte, até à sua morte absoluta nas mãos dos espanhóis nos Séculos XV e XVI.

Bimini
A Estrada de Bimini

Embora nenhum edifício monumental fosse encontrado em Bimini, em Arawak, Guanahani significava “o lugar cercado por muros”, em Arawak, hani também era sinónimo de “coroa” ou “grinalda”. Este nome mais antigo conhecido na ilha pode ter-se referido a uma formação de grandes pedras num leito submerso sob 20 metros de água a menos de 2 milhas ao largo do ponto mais setentrional (norte) de Bimini.

É um conjunto composto por um número até agora não contabilizado, mas certamente não inferior a 5.000 grandes blocos de pedra no leito do oceano, principalmente blocos de corte quadrado correndo em linha recta por cerca de 1.900 pés (em torno de 640 metros), antes de girar em volta sobre si mesmo para criar uma formação em J (ao contrário como um anzol). Para os primeiros observadores, assemelhava-se a uma estrada pavimentada com pedras que atravessa o fundo do leito do mar. Mas o consenso geral dos investigadores desde então vem tentado identificar a estrutura como um muro ciclópico, como os encontrados nos Andes no Peru, especificamente em Cuzco e Sacsayhuaman.

Infelizmente, a estrutura continua a ser conhecida pela sua denominação inicial e enganosa. Em 1933, o vidente norte-americano Edgar Cayce, durante os seus estados de transe, afirmou que os registos da antiga Atlântida ainda existiam, “onde uma parte dos templos poderia ser descoberta, sob o lodo e água do mar de eras passadas, perto do que é conhecido como Bimini.” A pequena ilha não seria a Atlântida em si mesma, explicou, mas sim o seu posto avançado a oeste, conhecido há muitos milhares de anos atrás, como Alta, estendendo-se (politicamente) para o leste-litoral da Florida, e parte de uma administração atlante mais ampla conhecida no seu tempo como Poseidia (Poseidonis), compreendendo as Pequenas Antilhas.

Bimini
Mergulho em Bimini

Em 1940, o “Profeta Adormecido” previu que “Poseidia” estaria entre as primeiras porções da Atlântida a ascender novamente. “Espera-se que isso aconteça entre 1968 e 1969” afirmou. E exactamente nessa período, a assim chamada Estrada de Bimini foi, de facto, descoberta, em 1968, pelo arqueólogo dissidente Mason Valentine, ao procurar pela Atlântida ao redor da ilha, na esperança de confirmar a profecia/visão de Edgar Cayce. Desde então, o sitio arqueológico submarino tem sido submetido a uma investigação contínua por investigadores convencidos tratar-se de uma ruína da Atlântida e críticos contrários com a certeza de que o local nada mais é do que uma formação natural de rocha na praia.

Este último comentário, apesar de ser uma matriz padrão de credenciais académicas, em mais de 30 anos não conseguiu mostrar outro arranjo natural semelhante de pedras ciclópicas perto de uma praia, em nenhum outro local do planeta. Só em Bimini é que tal coisa foi encontrada para desespero dos “eruditos estudiosos”. Exemplos supostamente similares de Loggerhead Key, Dry Tortugas, ou perto do Sri Lanka, citados como provas da sua origem totalmente natural, são tão diferentes dos blocos rectangulares organizados e lineares encontrados em Bimini que tais comparações se revelam inúteis.

Além disso, perfurações no núcleo da Estrada de Bimini, começando em meados da década de 1980, extraíram micrite das rochas, o que não ocorre com pedras e rochas naturais de praia.

Algumas das suas pedras contêm conglomerados de aragonita e calcita, que são padrões também ausentes em pedras de praia. O geólogo Eugene A. Shinn da Florida, um duro crítico das teorias em nome da artificialidade da estrutura de Bimini, datou as pedras pelo método rádio-carbono, determinando que teriam idades entre 2.000 a 4.000 anos.

Bimini
Nas profundezas de Bimini

A datação mais antiga coincide com a Idade do Bronze Médio, justamente quando as instalações portuárias que se assemelham ao sítio de Bimini foram construídas no Oriente Próximo, e a Atlântida estaria a chegar ao apogeu da sua grandeza material, de acordo com investigadores que argumentam que a cidade afundada de Platão floresceu entre 3.000 e 1.200 a.C.

Sérias investigações do local nas Bahamas começaram no final dos anos 1960 sob a direcção do investigador Valentine e do seu colega científico, Dimitri Rebikoff, e continuaram na década de 1970 e início dos anos 80, através do trabalho do Dr. David Zink, cujo “Stones of Atlantis” (Pedras da Atlântida) foi o primeiro livro completo publicado sobre o assunto.

Durante os anos 1990 e nos primeiros anos do Século XXI, numerosas expedições submarinas em Bimini conduzidas por William Donato, presidente da Organização Atlantis (Buena Park, California), têm contribuído significativamente para uma apreciação geral sobre a identidade real da estrutura de pedras em Bimini.

As ruínas submarinas parecem ser a fundação de uma muralha contínua que originalmente formava uma muralha oval alongada (o “Muro Circundante dos Lucayans” ?) para abrigar navios de navegação oceânica. Um porto marítimo no extremo norte de Bimini faz bastante sentido, porque a sua localização tem dois pré-requisitos de fundamental importância para viagens transoceânicas.

Em primeiro lugar, a ilha fica directamente no caminho de uma corrente do Atlântico que viaja como um transportador de correia subaquática de águas quentes equatoriais rumo ao gelado Atlântico norte (Corrente do Golfo), paralelo às costas da Nova Inglaterra, depois, para leste na direcção dos Açores, das Ilhas Britânicas e da Europa.

Segundo, Bimini é o último local de abastecimento de água doce antes de uma viagem transatlântica se iniciar pela América do Norte. A descoberta em Bimini de provas adicionais pré-históricas no antigo sítio, ressalta a identidade de que as ruínas são restos de edifícios feitos pelo homem.

Mapa de Bimini Road
Mapa de Bimini Road

Ao lado: Mapa da Estrada de Bimini

Desenhado após levantamentos aéreos e submarinos realizados pela expedição Poseidia 75, patrocinada pela A.R.E. (Edgar Cayce’s A.R.E. Association for Research and Enlightenment). A estrada está ampliada em cerca de duas vezes o seu tamanho real em relação à ilha de Bimini.

A sua forma parece-se mais ou menos com a letra J, com cerca de três quartos de uma milha de comprimento e composto por enormes blocos de pedra, muitas vezes até 15 pés quadrados. Neste mapa, o X marca a descoberta de um artefacto de pedra que se refere a um fragmento de alvenaria descoberto na expedição Poseidia 75 por um dos seus membros – Dr. David Zink.

Estas descobertas incluem o achado de efígies colossais em forma de peixe e outros animais e figuras geométricas, juntamente com blocos adicionais também encontradas a 19 pés (6 metros) de profundidade, cerca de 3 quilómetros a nordeste da estrada, assemelhando-se às colunas quadradas de Tiahuanaco, no alto dos Andes da Bolívia.

Estrada de Bimini
Estrada de Bimini

Mas o que os mergulhadores vêem em Bimini hoje são as ruínas de uma construção muito antiga. Recentemente, nos primeiros anos do Século XX, a superfície da estrada era visível na maré baixa, quando a sua localização foi ainda designada como “um perigo à navegação”.

Nativos mais velhos que ainda viviam na década de 1990 testemunharam pessoalmente ondas a lavar os topos das pedras em várias ocasiões quando eram jovens, embora a maioria dos habitantes da ilha evitassem o sítio com um medo supersticioso.

Estrada de Bimini
No fundo submerso de Bimini

No início de 1920, uma empresa de salvamento da Florida desmontou parte da estrutura de pedra para baixo até ao seu curso inferior. Os blocos foram removidos para Miami, onde foram usadas como preenchimento para um novo cais da cidade. O vidente Edgar Cayce pode na verdade ter descrito a “Estrada de Bimini” logo em 1932. Afirmou numa leitura de 5 de Maio de 1932:

“Não encontramos (na Poseidia) uma cidade totalmente murada, mas uma parte da construção da mesma forma que as águas dos rios se tornaram como as piscinas sobre as quais tantos sacrifícios são feitos assim como desportos são praticados, e as necessidades para a purificação (limpeza) do corpo, as casas e tudo o mais, eram obtidos, e as águas, eram mantidas em constante movimento para que se purificassem no seu curso; pois a água em movimento sobre as pedras purifica-se em 20 pés (6,80 metros) de espaço.”

Estrada de Bimini
Estrada de Bimini

A base da Estrada de Bimini está a 20 pés (6,80 metros) de profundidade. Não existem rios hoje na ilha, mas eles fizeram parte do seu passado geológico. Edgar Cayce parece ter retratado a estrada, não como parte de um porto, mas de um local de rituais e actividades recreativas.

As investigações em curso em Bimini com tecnologia de busca cada vez mais sofisticada podem provar que o “Lugar com Paredes Circundantes” era de facto a Alta de Edgar Cayce, onde os navios de há milhares de anos atrás, sobrecarregados com minério de cobre extraído na América do Norte, reabasteciam as suas provisões de água doce para a última etapa das suas viagens de retorno à Atlântida.

Fonte: Atlantis Encyclopedia de Frank Joseph

Agradecimento aos trabalhos de tradução e compilação de imagens de Toth3126 (http://www.thoth3126.com.br)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here