As Cidades Submersas de Bordéus

0
1686
Mapa de Bordéus e as suas sub-regiões
Mapa de Bordéus e as suas sub-regiões

“Faz 1.500 anos, diz o nosso amigo-correspondente Guy Laclau [1], antes dum cataclismo que transtornou a região sudoeste de França, o estuário da Gironda apresentava uma geografia muito distinta da
que conhecemos”.

A costa era muito recortada, salpicada de numerosas ilhas e, ali onde se encontra o estuário,  estendiam-se planícies pantanosas e malsãs.

Os povoados estavam construídos sobre as terras altas ou sobre os alicerces rochosos nas proximidades da trilha pré-histórica Mediterrâneo-Oceano que conduzia aos locais do sílex, do sal e depois ao cobre ou ao estanho.

Bordéus, capital dos bituriges vivisci, com o nome de Burdigala, tomava já um grande auge como o demonstram os relatos do astrónomo grego Cláudio Ptolomeu e as medidas das estradas da Tábua de Peutinger[2]

Quanto aos bituriges vivisci, consideravam-se os reis do mundo celta, e praticavam, segundo se diz, o azougamento com prata e enviavam o estanho bretão às regiões meridionais.

Por conseguinte era perfeitamente lógico que cidades-etapas situassem-se todas ao largo das vias terrestres e marítimas Burdigala-Royan para remontar seguidamente até SaintesRochefortChátelaillonLa RochelleLes Sables-d’OlonneNantesLe Baule e o país de Armor.

Duas dessas cidades deixaram lembrança duradoura, apesar de que nos nossos dias encontram-se enterradas pela areia e o lodo da Gironda: As cidades de Brion e Pamplona.

NOTAS:

[1] «Essai sur Deux Ports Antiques de Vestuaire de la Girónde» («Ensaio Sobre Dois Antigos Costumes de Vestuário da Gironda»), de Guy Laclau, segundo os arquivos da sociedade arqueológica de Bordéus.

[2] A Tábua de Peutinger, que está datada do Século XV, é um valioso mapa-itinerário do império romano, devido ao geógrafo-antiquário alemão Conrado Peutinger (1465-1547).

Fonte: Livro: «Arquivos dos Outros Mundos» de Robert Charroux

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here