As plantas inteligentes segundo Michael Polan

0
98
Plantas inteligentes
Plantas inteligentes

Michael Pollan, autor de livros como “The Omnivore’s Dilemma” e “The Botany of Desire“, escreveu sobre os desenvolvimentos na ciência das plantas. Afirma que durante muito tempo, mencionou a ideia de que as plantas podiam ser inteligentes, foi uma forma de ser rotulado como “louco”. Mas já não, o que poderia ser reconfortante para pessoas que há muito falavam com as suas plantas ou tocavam música para elas.

A nova investigação, afirma, que este fenómeno está inserido num campo chamado neurobiologia das plantas. No entanto os cientistas neste campo não argumentam que as plantas têm neurónios ou cérebros.

“Elas têm estruturas analagógicas”, explica Pollan. “Têm formas de tomar todos os dados sensoriais que recolhem na sua vida quotidiana, integrá-los e depois comportar-se de uma forma adequada em resposta. Fazem-no sem cérebros, o que, de certa forma é incrível, porque assumimos automaticamente que é necessário um cérebro para processar informação”.

Assumimos também que é necessário ouvidos para ouvir. Mas os investigadores, afirma Pollan, tocaram uma gravação de uma lagarta a mastigar numa folha às plantas e as plantas reagem. Começam a segregar produtos químicos defensivos, embora a planta não esteja realmente ameaçada, afirmou Pollan: “É de alguma forma ouvir o que é, para ela, um som aterrador de uma lagarta a mastigar as suas folhas”.

Michael Pollan
Michael Pollan

Pollan afirmou que as plantas têm todos os mesmos sentidos que os humanos e mais alguns. Para além da audição, podem, por exemplo, sentir a gravidade, a presença de água, ou mesmo sentir que uma obstrução está no caminho das suas raízes, antes de entrarem em contacto com ela. As raízes das plantas vão mudar de direcção, para evitar obstáculos.

No que a dor diz respeito Pollan diz que elas respondem a anestésicos. “Pode-se colocar uma planta para fora com anestésico humano. As plantas produzem os seus próprios compostos que são anestésicos para nós”. Mas os cientistas estão relutantes em ir ao ponto de afirmar que estão a responder à dor.

A forma como as plantas sentem e reagem ainda é algo desconhecida. Não têm células nervosas como os humanos, mas têm um sistema para enviar sinais eléctricos e até produzem neurotransmissores, como a dopamina, serotonina e outros químicos que o cérebro humano utiliza para enviar sinais.

“Não sabemos porque é que os têm, se isto foi apenas conservado através da evolução ou se desempenha algum tipo de função de processamento de informação. Existe muita coisa que não sabemos”, afirma Pollan.

Pollan descreve uma experiência efectuada pela bióloga animal Monica Gagliano. Esta apresentou uma pesquisa que sugere que a planta mimosa pudica pode aprender com a experiência. Pollan afirma, a mera sugestão de que uma planta pode aprender foi tão controversa que o seu trabalho foi rejeitado por 10 revistas científicas antes de ser finalmente publicado.

A mimosa é uma planta, que se parece com uma samambaia, que colapsou temporariamente as suas folhas quando foi perturbada. Assim, Gagliano montou uma engenhoca que deixaria cair gotas na planta da mimosa, sem a danificar. Quando a gota caiu, como se esperava, as suas folhas colapsaram. Ela continuava a deixar cair gotas a cada cinco a seis segundos.

“Após cinco ou seis gotas, as plantas deixavam de responder, como se tivessem aprendido a afinar o estímulo como irrelevante”, afirma Pollan. “Esta é uma parte muito importante da aprendizagem, aprender o que se pode ignorar em segurança no ambiente“.

Monica Gagliano
Monica Gagliano

Talvez a planta estivesse apenas a ficar desgastada por causa de todas as quedas? Para testar isso, Gagliano pegou nas plantas que tinham deixado de responder às gotas e abanou-as em vez disso.

“Elas continuariam a cair”, afirma Pollan. “Tinham feito a distinção de que, a queda, era um sinal que podiam ignorar em segurança. E o que era mais incrível é que Gagliano as reatestava todas as semanas durante quatro semanas e durante um mês, continuavam a lembrar-se da sua lição”.

É possível que elas se lembrem ainda mais tempo. Por outro lado, Pollan salienta, as abelhas que são submetidas a um teste de desabituação semelhante esquecem-se do que aprenderam em apenas 48 horas.

Pollan afirma que nem todos aceitam que o que Gagliano descreve é realmente aprendizagem. Na verdade, existem muitos críticos com muitas teorias alternativas para explicar a “resposta” que as plantas estão a dar.

“As plantas podem efectuar coisas incríveis”. Parecem lembrar-se de tensões e acontecimentos, como aquela experiência. Têm a capacidade de responder de 15 a 20 variáveis ambientais”, afirma Pollan. “A questão é, será correcto chamar-lhe aprendizagem? Será essa a palavra certa? Será correcto chamar-lhe inteligência? Será correcto, chamar-lhe aquilo a que eles estão conscientes? Alguns destes neurobiólogos de plantas acreditam que as plantas são conscientes, não autoconscientes, mas conscientes no sentido em que sabem onde estão no espaço e reagem adequadamente à sua posição no espaço”.

Pollan afirma, “não existe uma definição acordada de inteligência, portanto, a inteligência pode muito bem ser uma propriedade da vida. E a nossa diferença em relação a estas e outras criaturas pode ser uma questão de diferença de grau e não de bondade. Podemos ter apenas mais desta capacidade de resolução de problemas e podemos fazê-lo de formas diferentes”.

Pollan acrescenta que realmente assusta as pessoas, “que a linha entre plantas e animais pode ser um pouco mais suave do que tradicionalmente pensamos que é”.

Ele sugere que as plantas podem ser capazes de ensinar aos humanos uma ou duas coisas, tais como como processar informação sem um posto de comando central como um cérebro.

Fonte:

«The Intelligent Plant», The New Yorker. 15 de Dezembro de 2013

«New research on plant intelligence may forever change how you think about plants», The World. 10 de Janeiro de 2014

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here