Cientistas criam embriões que são parte humanos parte macacos

0
78
Criação de embriões parte humano parte macaco
Criação de embriões parte humano parte macaco

Pela primeira vez, cientistas criaram embriões que são uma mistura de células humanas e de macacos.

Os embriões, descritos na revista Cell, foram criados em parte para tentar encontrar novas formas de produzir órgãos para pessoas que necessitam de transplantes, afirma a equipa internacional de cientistas que colaboraram no trabalho. Mas a investigação suscita uma variedade de preocupações.

“A minha primeira pergunta é: Porquê?” questiona-se Kirstin Matthews, uma estudante bolseira de ciência e tecnologia do Instituto Baker da universidade de Rice. “Penso que o público vai ficar preocupado, e eu também, com o facto de estarmos apenas a avançar com a ciência sem termos uma conversa adequada sobre o que devemos ou não efectuar”.

Ainda assim, os cientistas que conduziram a pesquisa e alguns outros bio-éticos defenderam a experiência.

Juan Carlos Izpisua Belmonte
Juan Carlos Izpisua Belmonte

“Este é um dos maiores problemas na medicina, transplante de órgãos”, afirma Juan Carlos Izpisua Belmonte, professor no Laboratório de Expressão Genética do Instituto Salk de Ciências Biológicas em La Jolla, Califórnia, e co-autor do estudo Cell, “A procura é muito maior do que a oferta”.

“Não vejo este tipo de investigação ser eticamente problemática”, afirma Insoo Hyun, um bioético da universidade Case Western Reserve e da universidade de Harvard. “É dirigido a objectivos humanitários elevados”, concluiu.

Milhares de pessoas morrem todos os anos nos Estados Unidos da América à espera de um transplante de órgãos, observou Hyun. Assim, nos últimos anos, alguns investigadores nos Estados Unidos e não só, têm injectado células estaminais humanas em embriões de ovelhas e porcos para ver se eventualmente poderiam cultivar órgãos humanos em tais animais para transplante.

Mas até agora, essa abordagem não tem funcionado. Assim, Belmonte juntou-se a cientistas na China e noutros locais para tentar algo diferente. Os investigadores injectaram 25 células conhecidas como células estaminais pluripotentes induzidas de humanos, vulgarmente chamadas células iPS, em embriões de macacos, que estão muito mais estreitamente relacionados geneticamente com humanos do que ovelhas e porcos.

Após um dia, os investigadores relataram que conseguiram detectar células humanas crescendo em 132 dos embriões e puderam estudar os embriões durante 19 dias. Isto permitiu aos cientistas aprender mais sobre a forma como as células animais e as células humanas comunicam, um passo importante para eventualmente ajudar os investigadores a encontrar novas formas de cultivar órgãos para transplante noutros animais, afirmou Belmonte.

“Este conhecimento permitir-nos-á regressar agora e tentar a reengenharia destes caminhos que são bem sucedidos para permitir o desenvolvimento apropriado de células humanas nestes animais”, afirnou Belmonte. “Estamos muito, muito entusiasmados”, concluiu.

Tais embriões de espécies mistas são conhecidos como quimeras, nome dado à criatura respiradora de fogo da mitologia grega que é parte leão, parte cabra e parte cobra.

“O nosso objectivo não é gerar nenhum organismo novo, nenhum monstro”, afirma Belmonte. “Nós não estamos a fazer nada disso. Estamos a tentar compreender como as células de diferentes organismos comunicam entre si”, concluiu.

Além disso, Belmonte disse que espera que este tipo de trabalho possa conduzir a novos conhecimentos sobre o desenvolvimento humano precoce, o envelhecimento e as causas subjacentes do cancro e outras doenças.

Jeffrey Platt
Jeffrey Platt

“Este trabalho é um passo importante que fornece provas muito convincentes de que um dia, quando compreendermos plenamente qual é o processo, poderemos fazê-los evoluir para um coração, um rim ou pulmões”, afirma o doutor Jeffrey Platt, professor de microbiologia e imunologia na universidade de Michigan, que está a fazer experiências relacionadas mas não esteve envolvido na nova investigação.

Mas este tipo de trabalho científico e as possibilidades que ele abre levantam sérias questões para alguns especialistas em ética. A maior preocupação é que alguém possa tentar levar este trabalho mais longe e tentar fazer um bebé a partir de um embrião efectuado desta forma. Especificamente, os críticos preocupam-se que as células humanas possam tornar-se parte do cérebro em desenvolvimento de tal embrião e do cérebro do animal resultante.

“Deve ser regulado como humano porque tem uma proporção significativa de células humanas? Ou deveria ser regulado apenas como um animal? Ou algo mais?” questionou-se Matthews da universidade Rice afirmou. “Em que momento se está a tomar algo e a utiliza-lo para órgãos, quando na realidade começa a pensar e a ter lógica?”

Outra preocupação é que a utilização de células humanas desta forma poderia produzir animais que têm espermatozoides ou óvulos humanos.

“Ninguém quer realmente macacos a andar por aí com óvulos humanos e esperma humano dentro deles”, afirma Hank Greely, um bioético da universidade de Stanford que co-escreveu um artigo no mesmo número da revista que critica a linha de investigação ao mesmo tempo que observa que este estudo em particular foi eticamente efectuado. “Porque se um macaco com esperma humano encontra um macaco com óvulos humanos, ninguém quer um embrião humano dentro do útero de um macaco”, afirmou.

Belmonte reconhece as preocupações éticas. Mas sublinha que a sua equipa não tem qualquer intenção de tentar criar animais com embriões parte humanos, parte macacos, ou mesmo de tentar cultivar órgãos humanos numa espécie tão intimamente relacionada. Afirmou que a sua equipa consultou atentamente os bio-éticos, incluindo Greely.

Greely afirma que espera que o trabalho estimule um debate mais geral sobre até onde os cientistas devem ser autorizados a ir com este tipo de investigação.

Hank Greely
Hank Greely

“Não creio que estejamos no limite do Planeta dos Macacos“. Penso que os cientistas desonestos são poucos e distantes. Mas eles não são zero”, afirma Greely. “Por isso, penso que é uma altura apropriada para começarmos a pensar: ‘Será que alguma vez devemos deixar isto ir para além de uma placa de Petri?”, conclui questionando.

Durante vários anos, os Institutos Nacionais de Saúde têm vindo a ponderar a ideia de levantar a proibição de financiamento para este tipo de investigação, mas têm estado à espera de novas directrizes, que deverão sair no próximo mês, da Sociedade Internacional para a Investigação de CélulasTronco.

A noção de utilização de órgãos de animais para transplantes também há muito que suscita preocupações quanto à propagação de vírus de animais para seres humanos. Assim, se a investigação actual se concretizar, terão de ser tomadas medidas para reduzir esse risco de infecção, afirmaram os cientistas, tais como o sequestro cuidadoso dos animais utilizados para esse fim e o rastreio de quaisquer órgãos utilizados para transplante.

Fonte:

[1] «Scientists Create Early Embryos That Are Part Human, Part Monkey», NPR. 15 de Abril de 2021

[2] «Chimeric contribution of human extended pluripotent stem cells to monkey embryos ex vivo» Cell. 20 de Março de 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here