Radiação Electromagnética e a formação de Cataratas nos Olhos

0
188
Radiação Electromagnética e a formação de Cataratas nos Olhos
Radiação Electromagnética e a formação de Cataratas nos Olhos

No início dos anos 70, o Exército dos EUA empreendeu um estudo oftalmológico dos empregados em Fort Monmouth, New Jersey, uma instalação onde são testados, desenvolvidos e utilizados equipamentos electrónicos de comunicação, detecção e orientação. Os trabalhadores expostos a microondas tinham substancialmente mais opacidades nas lentes oculares do que os controlos (Frey, 1985). [1]

Huai (1981) encontrou mais vacúolos nas lentes em trabalhadores irradiados do que em controlos. A tendência era evidente mesmo naqueles expostos a menos de 200 μW/cm², e tornou-se estatisticamente significativa com intensidades mais elevadas. Foram encontrados alguns casos de cataratas em quem trabalhava com microondas. [2]

Bachurin (1979) notou uma maior incidência de pontos de turbidez nas lentes, estreitamento das artérias, espasmo dos vasos, e início de esclerose e angiopatia da retina. Estes eram homens jovens que trabalhavam em instalações de televisão e rádio e outras instalações onde as intensidades de microondas flutuavam entre 20 e 60 μW/cm², só ocasionalmente atingindo 100 μW/cm². [3]

Sadchikova (1974) [4] e Sadchikova et al. (1980) [5] notaram angiopatia ou esclerose dos vasos sanguíneos da retina em trabalhadores expostos a várias centenas de μW/cm² em lojas de produção de radares.

Drogichina (1960), 20 anos antes, tinha notado tanto angiopatia da retina como opacificações das lentes em trabalhadores que lidavam com microondas. [6]

Em 1963, Zaret estudou 736 trabalhadores de radares e 559 controlos, e encontrou significativamente mais opacidades de lentes nos trabalhadores de radares. [7] O estudo de Belova (1963) de 370 trabalhadores de microondas, [8] e o estudo de Majewska (1968) de 200 trabalhadores de microondas [9], produziram resultados semelhantes. Zydecki (1974) encontrou um aumento na frequência de opacidades das lentes em 3000 trabalhadores de microondas que nunca foram expostos a intensidades térmicas e concluiu que as microondas envelhecem prematuramente as lentes. [10] Baranski e Czerski (1976), revendo este estudo, sublinham que “o tratamento estatístico dos dados é extremamente cuidadoso e não deixa margem para dúvidas” (p. 167). [11]

Bibliography

[1] Frey, A.H. (1985). Data analysis reveals significant microwave-induced eye damage in humans. Journal of Microwave Power 1985, pp. 53-55.

[2] Huai, C. (1981). Assessment of health hazard and standard promulgation in China. Biological Effects and Dosimetry of Non-ionizing Radiation, NATO Conference, Erice, Italy, 1981, pp. 627-644.

[3] Bachurin, I. V. (1979). Influence of small doses of electromagnetic waves on some human organs and systems. Vrachebnoye Delo 7:95-97, 1979. JPRS 75515, pp. 36-39.

[4] Sadchikova, M.N. (1973). Clinical manifestations of reactions to microwave irradiation in various occupational groups. In Biologic Effects and Health Hazards of Microwave Radiation: Proceedings of an International Symposium, Warsaw, 15-18 Oct., 1973, P. Czerski et al., eds., pp. 261-267.

[5] Sadchikova, M.N., Kharlamova, S.F., Shatskaya, N.N. and Kuznetsova, N.V. (1980). Significance of blood lipid and electrolyte disturbances in the development of some reactions to microwaves. Gigiyena Truda i Professional’nyye Zabolevaniya 2:38-39, 1980. JPRS 77393, pp. 37-39.

[6] Drogichina, E.A. (1960). The clinic of chronic UHF influence on the human organism. In The Biological Action of Ultrahigh Frequencies, A.A. Letavet and Z.V. Gordon, eds., Academy of Medical Sciences, Moscow, 1960. JPRS 12471, pp. 22-24.

[7] Zaret, M., Cleary, S., Pasternack, B., Eisenbud, M., & Schmidt, H. (1963). Final report on contract AF30 (602) 2215—prepared for Rome Air Force Center, on “A Study of Lenticular Imperfections in the Eyes of a Sample of Microwave Workers and a Control Population,” submitted March 15, 1963. RADC-TDR63-125.

[8] S.F. Belova, Nauchn. Issledo. Inst. Gig. Tr. Profzabol., Tr. No. 1, p. 36 (1960)

[9] Majewska, K. (1968). Investigations on the effect of microwaves on the eye. Pol Med J 1968; 7 (4): 989-994.

[10] Zydecki, S. (1974) Assessment of lens translucency in juveniles, microwave workers and in age-matched groups. In: Czerski, P., Ostrowski, K., Shore, M. L., Silverman, Ch., Suess, M. J., & Waldeskog, B., ed. Biologic effects and health hazards of microwave radiation, Warsaw, Polish Medical Publishers, pp. 306-308.

[11] Baranski, S. and Czerski, P. (1976). Biological Effects of Microwaves. Dowden, Hutchinson & Ross, Stroudsburg.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here