Biografia: “Trailanga” Swami Ganapati Saraswati

0
24
Trailanga
Trailanga

Trailanga nasceu em Kumbilapuram, actualmente conhecido como Kumili de Puspatirega Tehisil, no distrito de Vizianagaram em Andhra Pradesh, com o nome de Shivarama. Os seus biógrafos e os seus discípulos diferem quanto à data de nascimento e ao período de sua longevidade. De acordo com um discípulo biógrafo, Sivarama nasceu em 1529, enquanto de acordo com outro biógrafo foi em 1607. A sua biografia foi escrita por Biruduraju Ramaraju como um volume do seu projeto de seis volumes Āndhra yōgulu.

Os pais de Sivarama eram Narashingha Rao e Vidyavati Devi, que eram devotos de Shiva. Após a morte do seu pai em 1647, aos 40 anos, rejeitou a riqueza herdada e as responsabilidades familiares, deixou tudo para o seu meio-irmão Sridhar. A sua mãe então compartilhou com ele o facto de que o seu pai, na hora da morte, expressou o desejo dele nascer dela e continuar o seu Kali Sadhana para o benefício da humanidade. Ela disse a Sivarama que acreditava que ele era o seu avô reencarnado e que ele deveria assumir Kali Sadhana. Após o início de um mantra Kalide a sua mãe, Sivarama realizou Kali Sadhana no templo de Kali próximo e Punya Kshetras, mas nunca estava longe da sua mãe. Após a morte da sua mãe em 1669, ele guardou as suas cinzas. Ele utilizaria essas cinzas e continuaria seu o Kali Sadhana dia e noite. Durante esse tempo, Sivarama viveu a vida de um “recluso” numa cabana, construída pelo seu meio-irmão, perto de um local de cremação. Após 20 anos de prática espiritual (sadhana), ele conheceu o seu preceptor swami, Bhagirathananda Saraswati, em 1679, de Punjab. Bhagirathananda iniciou Shivaram nos votos monásticos (sannyasa) e nomeou-o Swami Ganapati Saraswati em 1685. Ganapati supostamente levou uma vida de severas austeridades e foi em peregrinação, chegando a Prayagem em 1733, antes de finalmente se estabelecer em Varanasi em 1737.

Trailanga morreu na noite de segunda-feira, 26 de Dezembro de 1887. O seu corpo recebeu salilasamadhi no Ganges, de acordo com os costumes fúnebres dos monges da seita Dashanami, na presença de devotos enlutados de pé nos ghats.

Robert Arnett
Robert Arnett

Existem muitas histórias contadas sobre Trailanga e os seus poderes espirituais, de tal forma que ele tornou-se uma figura quase mítica na Índia. Robert Arnett escreve que os seus milagres estão bem documentados e que ele exibiu poderes milagrosos que não podem ser descartados como mitos e que existiam testemunhas vivas dos seus feitos incríveis. Acredita-se que Trailanga viveu cerca de 300 anos e era uma figura maior do que a própria vida, supostamente pesava mais de 140 kg, embora ele raramente comesse. Um relato disse que ele conseguia “ler a mente das pessoas como livros”.

Em muitas ocasiões, Trailanga foi visto a beber venenos mortais sem nenhum efeito nocivo. Num caso, um céptico quis denunciá-lo como fraude. O monge estava acostumado a quebrar os seus longos jejuns com baldes de leite batido, então o céptico trouxe-lhe um balde de mistura de cal e cálcio utilizada para caiar as paredes. O monge bebeu o balde inteiro sem nenhum efeito prejudicial, em vez disso, o céptico caiu no chão contorcendo-se de dor. O monge quebrou o seu silêncio habitual para explicar a lei do karma de causa e efeito.

De acordo com outra história, Trailanga costumava andar sem roupas, muito parecido com os sadhus naga. A polícia de Varanasi ficou escandalizada com o seu comportamento e aprisionou-o. Pouco tempo depois foi visto no telhado da prisão, em toda a sua glória “vestido de céu”. A polícia colocou-o de volta na sua cela trancada, apenas para vê-lo aparecer novamente no telhado da prisão. Acabaram por desistir e deixaram-no andar novamente pelas ruas de Varanasi.

Sivananda Saraswati
Sivananda Saraswati

Segundo relatos, milhares de pessoas viram-no levitar sentado na superfície do rio Ganges por vários dias. Ele também aparentemente desapareceria sob as ondas por longos períodos e reapareceria ileso. Sivananda Saraswati atribuiu alguns dos seus milagres ao siddhi ou poder iogue Bhutajaya, conquista dos cinco elementos: “O fogo não queimará esse Yogi. A água não o afogará”.

Relativamente aos seus supostos poderes iogues, milagres abundam nas biografias de Trailanga e vida excepcionalmente longa. Medhasananda escreve que de acordo com a “ciência da yoga”, a obtenção destes poderes não é impossível.

Também é dito que Trailanga é Kuzhandaiananda Swamigal do sul da Índia que tem Samadhis em Madurai, Tenkasi e Batalagundu.

Trailanga descreveu a escravidão como o “apego ao mundo” e a libertação como a “renúncia ao mundo e absorção em Deus“. Afirmou ainda que depois de atingir o estado de ausência de desejo, “este mundo é transformado em céu” e pode ser libertado de samsara (a crença hindu de que a vida é um ciclo de nascimento e morte) através de conhecimento espiritual. Segundo Trailanga, esse apego ao mundo evanescente é a nossa doença crónica e o remédio é desapego.

Trailanga descreveu os sentidos do homem como o seu inimigo e os seus sentidos controlados como o seu amigo. A sua descrição de uma pessoa pobre como alguém que é muito ganancioso, e considerado rico aquele que sempre se mantém contente. Ele afirmou que o maior lugar de peregrinação é a nossa própria mente pura e instrui as pessoas a seguirem a verdade vedântica do Guru. Ele descreveu um sadhu como alguém que está livre de apegos e ilusões, aquele que transcendeu o ego.

Fonte:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here