Os precursores históricos da Sincronicidade

0
961
Princípio de conexões acausais
Princípio de conexões acausais

Carl Jung dedica uma parte do “Sincronicidade: um princípio de conexões acausais” para falar dos precursores históricos da sincronicidade. Ele afirma que a concepção chinesa da realidade, e particularmente o conceito de Tao, é, em grande parte, sincronística. Ele diz: “…segundo a concepção chinesa, há uma “racionalidade” latente em todas as coisas. Esta é a ideia fundamental que se encontra na base da coincidência significativa: esta é possível porque os dois lados possuem o mesmo sentido.”

No ocidente esse princípio existiu durante muito tempo. Jung diz que “a concepção primitiva, assim como a concepção clássica e medieval da natureza, postulam a existência de semelhante princípio ao lado da causalidade.” A ideia de uma unidade de toda a natureza (unus mundus) permeia essas concepções, e portanto nelas não existe uma diferença entre o micro e o macrocosmo – há uma correspondência entre todas as coisas; também permeando essas concepções está a ideia de que existe na natureza uma fonte de todo conhecimento que se situa fora da alma humana, um conhecimento absoluto. Porém antigamente não se pensava em sincronicidade porque não se pensava em acaso. Tudo era atribuído a uma causalidade mágica que hoje nos parece ingénua. Com o advento do pensamento científico, essas concepções desaparecem. Jung aponta o que fez com que desaparecessem dizendo que “com a ascensão das Ciências físicas, no Século XIX, a teoria da Correspondentia desaparece por completo da superfície e o mundo mágico dos tempos antigos parece sepultado para sempre.” Mas essa ideia de uma sincronicidade e de um significado subsistente à natureza, que é a base do pensamento chinês clássico e faz parte da concepção ingénua da idade média, embora pareça a alguns uma regressão, teve de ser retomada pela psicologia moderna uma vez que só o princípio da causalidade não explica toda a realidade dos acontecimentos.

Sincronicidade
Jung aponta como precursores da ideia de sincronicidade a “simpatia de todas as coisas” de Hipócrates; a ideia de que o sensível e o supra-sensível estão unidos por um vínculo de comunhão de Teofrasto; a ideia de uma necessidade e amizade que une o universo de Filo de Alexandria; a ideia de mônada, que também tem um significado de unidade de todas as coisas, do alquimista Zózimo; a alma universal de Plotino; a ideia do mundo como um único ser de Pico Della Mirandola; o “conhecimento” ou “ideia” inata dos organismos vivos de Agrippa von Nettesheim e a ideia da anima telluris de Johann Kepler. Jung cita também Schopenhauer e a ideia da vontade ou prima causa e da simultaneidade significativa (daí o termo “sincronicidade” usado por Jung). Mas o autor que Jung mais cita é Gottfried Wilhelm Leibniz. Leibniz explica a realidade através de quatro princípios: espaço, tempo, causalidade e correspondência (harmonia praestabilita). Este último é um princípio acausal de sincronismo dos acontecimentos psíquicos e físicos. Jung discorda de Leibniz em apenas um ponto: para Leibniz este é um factor constante, enquanto que para Jung os eventos sincronísticos ocorrem esporadica e irregularmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here