Nova Ordem Mundial – Franco-Maçonaria

0
1913
Franco-Maçonaria uma organização bem antiga
Franco-Maçonaria uma organização bem antiga

A Franco-Maçonaria é uma das organizações fraternais mais antigas do mundo secular, tendo supostamente surgido entre o final do Século 16 e início do Século 17 na Grã-Bretanha. Ao longo dos anos têm sido direccionadas à Maçonaria, uma série de alegações e teorias da conspiração, incluindo a alegação de que os maçons têm uma agenda oculta política e estão a conspirar para trazer uma Nova Ordem Mundial, um governo mundial organizado de acordo com princípios maçónicos e/ou regulada apenas por maçons.

A natureza esotérica do simbolismo maçónico e os ritos maçons levaram a que primeiro fossem acusados de secretamente praticar satanismo, no final do Século 18. A alegação original de uma conspiração dentro da Maçonaria para subverter as religiões e governos, a fim de dominar o mundo remonta ao autor escocês John Robison, cujas teorias da conspiração reacionária cruzaram o Atlântico durante os surtos do Século 19 influenciados por protestantes anti-Maçonaria nos Estados Unidos. Na década de 1890, o escritor francês Léo Taxil escreveu uma série de panfletos e livros, denunciando a Maçonaria, acusando as suas lojas de adoração a Lúcifer como sendo o Ser Supremo. Apesar do facto de Taxil ter admitido que as suas afirmações se tratavam de uma brincadeira, foram e são acreditadas e repetidas por inúmeros teóricos da conspiração, o que veio a exercer uma enorme influência sobre afirmações posteriores anti-maçónicas sobre a Maçonaria.

Alguns teóricos da conspiração viriam a especular sobre a hipótese de alguns dos Pais Fundadores dos Estados Unidos, como George Washington ou Benjamin Franklin, terem feito desenhos geométricos sagrados maçónicos entrelaçados na sociedade americana, sobretudo no Grande Selo dos Estados Unidos, nas notas de um dólar americanas, na arquitetura dos monumentos da National Mall, e nas ruas e vias de Washington, DC, como parte de um plano mestre. Assim, os colonos maçons americanos são retratados como tendo abraçado o Iluminismo Bavariano e usado o poder do ocultismo para vincular o seu planeamento de um governo em conformidade com o plano do “Deus maçónico” por causa da sua crença de que o “Grande Arquitecto do Universo” está destinado aos Estados Unidos com o eventual estabelecimento do “Reino de Deus na Terra” – um governo mundial maçónico com a Nova Jerusalém como sua capital e o Terceiro Templo, como o seu local mais sagrado – A Nova Ordem Mundial inicialmente utópica presidida por um Messias maçónico.

Maçonaria

A Maçonaria refuta essas alegações de conspiração maçónica. Segundo a Maçonaria, esta promove o racionalismo, não coloca nenhum poder em si mesma nem em símbolos ocultos, e não faz parte dos seus princípios ver o desenho de símbolos, não importa quão grandes sejam, como um acto de consolidação ou do poder de controlo. Além disso, há informações publicadas que instituem a adesão à Maçonaria dos homens responsáveis pela concepção do Grande Selo. A frase em latim “Novus Ordo Seclorum“, que aparecence no verso do Grande Selo desde 1782 e na parte de trás da nota de um dólar desde 1935, significa “Nova Ordem das Eras” e apenas faz alusão ao início de uma era onde os Estados Unidos se tornam num Estado-nação independente, algo que, no entanto, é muitas vezes mal interpretado pelos teóricos da conspiração como sendo “Nova Ordem Mundial“. Por último, os maçons afirmam que, apesar da importância simbólica do Templo de Salomão, na sua mitologia, não têm interesse em reconstruí-lo, especialmente porque “é óbvio que qualquer tentativa de interferir com o estado actual das coisas [sobre o Monte do Templo] seria muito provavelmente trazer a maior guerra religiosa que o mundo já havia conhecido”.

Embora o ramo Europeu continental da Maçonaria tenha organizações que permitem a discussão política dentro de suas lojas maçónicas e alguns actuem como lobbies políticos activos de causas seculares, como exemplificado pelo Grande Oriente da França, o pesquisador maçónico Trevor W. McKeown argumenta:

«A acusação que a Maçonaria tem uma agenda oculta para estabelecer um governo maçónico ignora diversos factos. Apesar de concordar em certos marcos maçónicos, as muitas grandes lojas independentes e soberanas agem como tal, e não concordam em muitos outros pontos de crença e prática. Além disso, como pode ser visto a partir de um levantamento de maçons famosos, os maçons têm crenças individuais que abrangem o espectro da política. O termo “governo maçónico” não tem significado uma vez que os maçons individuais tem muitas opiniões diferentes sobre o que constitui um bom governo.»

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here