Grande praga de ratos na zona Este da Austrália

0
38
Praga de ratos na Austrália
Praga de ratos na Austrália

Seca, fogo, Covid-19 e uma praga de ratos que consumiu tudo. A área rural de Nova Gales do Sul enfrentou quase todos os desafios bíblicos que a natureza tem para oferecer nos últimos anos, mas agora está “orar” por outro, uma inundação para afogar os ratos nas suas tocas e limpar a terra devastada pelos roedores. Ou alguma chuva muito forte, pelo menos.

Parece que todas as pessoas nas cidades rurais do noroeste de Nova Gales do Sul  e do sul de Queensland têm a sua própria história da “guerra dos ratos”. Em publicações na Internet, eles detalham como acordaram com excrementos de rato nos seus travesseiros ou observaram o movimento do solo à noite, enquanto centenas de milhares de roedores fogem das tochas.

Toowoomba
Toowoomba

Lisa Gore, de Toowoomba, afirmou que a sua amiga tirou o tecido da sua poltrona quando começou a cheirar mal, apenas para encontrar um ninho de ratos bebês no interior.

Karen Fox, residente de Dubbo, saiu do chuveiro na manhã de sexta-feira para ver um rato a olhar para ela da abertura do tecto. Não há nada que ela possa fazer, porque as armadilhas estão esgotadas.

Em Gulargambone, no norte de Dubbo, Naav Singh chega cinco horas antes ao trabalho no supermercado 5Star para limpar os vermes visitantes indesejados.

“Por vezes não queremos entrar de manhã. Cheira mal, eles vão morrer e é impossível encontrar todos os corpos. Algumas noites encontramos mais de 400 ou 500”, afirma.

Antes de abrir, Singh deve esvaziar as 17 armadilhas da loja, varrer os excrementos e jogar fora todos os produtos que os ratos atacaram.

“Temos cinco ou seis latas todas as semanas apenas cheias de mantimentos que estamos a jogar fora”, informa.

Naav Singh foi uma das pessoas que apanhou 500 ratos numa noite
Naav Singh foi uma das pessoas que apanhou 500 ratos numa noite

A empresa familiar teve que reduzir drasticamente o stock, colocar o que pudessem em recipientes grossos, utilizar frigoríficos vazios para armazenar o resto. Nada na loja é seguro, com ratos até a mastigar garrafas plásticas de refrigerantes. “Eles estavam a correr mais rápido depois disso”, brinca Singh.

Após anos de seca, a zona rural de Nova Gales do Sul e partes de Queensland tiveram uma colheita abundante devido à recente estação chuvosa. Mas esse influxo de novos produtos e grãos levou a uma explosão na população de ratos. Os moradores locais dizem que começaram a notar os enxames no norte em Outubro e a onda de roedores tem-se espalhado para o sul desde então, crescendo em proporções bíblicas.

Singh estima que a praga até agora custou aos negócios mais de 30 mil dólares e não tem a certeza de quanto tempo mais eles podem continuar.

“Já dura à três meses. Vai ser muito difícil, perdemos muitos clientes”, afirmou.

Os moradores locais dizem que a praga afectou tanto a vida diária das pessoas que o início de uma conversa usual mudou de um comentário sobre o tempo para a comparação de quantos ratos eles apanharam na noite anterior.

Pip Goldsmith em Coonamble sabia que teria que colocar armadilhas na sua habitação e nos campos quando os ratos começassem a descer, mas não fazia ideia de que ela também precisaria fazer o mesmo no seu carro.

“Percebi que havia um pacote de biscoitos com sementes que havia caído de um saco de compras no banco de trás. Os ratos mastigaram a caixa e comeram as sementes. Não sobrou nada”, afirmou.

“Naquela noite, montei seis armadilhas e continuei verificando-as. Acho que apanhei quase 20 ratos antes da meia-noite”.

A contagem apenas do carro de Goldsmith está agora em mais de 100, e ela acha que o total preso na sua habitação estaria nos milhares.

“Eles cheiram mal, estejam vivos ou mortos, às vezes não se consegue escapar ao cheiro é opressor, mas somos resistentes”.

A praga deu origem a uma nova forma de vínculo familiar mórbido, com crianças alistadas como soldados da linha de frente na luta contra os roedores.

“Eu tenho uma criança de quatro e outra de cinco anos, nós divertimo-nos muito projetando as nossas armadilhas com baldes e garrafas de vinho. Eles são muito rápidos em apanhar e descartar ratos. Isso deixa-me orgulhosa e enjoada ao mesmo tempo ”, diz Goldsmith.

Gore, em Queensland, diz que o seu filho de 12 anos assumiu o papel de principal soldado anti-vermes da casa.

“Ele saía às 18h e colocava as armadilhas, depois volta e fica cerca de uma hora, de seguida saí e esvazia as armadilhas e coloca-as novamente e continuava a efectuar isso quatro ou cinco vezes”, afirmou.

“O recorde é de 183 numa noite. É o trabalho dele no momento. Ele tem muito orgulho de si mesmo”, afirmou.

Coonamble
Coonamble

Lucy Moss, dona do café Mink and Me em Coonamble, diz que teve que pagar para reparar o seu frigorifico sete vezes depois dos cadáveres de ratos terem entupido a maquinaria.

“Os ratos entram no ventilador na parte inferior e divertem-se muito e então o ventilador liga e eles não conseguem mais sair”, afirmou.

Só isso já lhe custou milhares de dólares.

Os ratos arruinaram um armazém cheio de feno na quinta de Moss, que ela estava a guardar para o caso de outra seca.

“Eles vão para o feno e estão a urinar e tudo mais. É um perigo para a saúde, alimentar as vacas e ovelhas com ele, então destruímos o feno”, afirma. “Aquela era a nossa rede de segurança”.

O feno pode custar aos agricultores 500 dólares cada fardo, para comprar numa seca e o presidente da câmara de Coonamble, Al Karanouh, afirma que os agricultores perderam  40 milhões de dólares apenas no seu condado.

“Alguns agricultores perderam até 2500 fardos de feno. Não há dinheiro suficiente para o município fazer algo para ajudar. Tudo o que podemos fazer é evitar que entrem nos nossos escritórios, nas nossas máquinas, nos nossos tratores, nos nossos camiões. Eles comem todos os fios”, afirmou.

Karanouh e dezenas de outros presidentes de câmara pediram ao governo estadual que declarasse o problema do rato como uma praga oficial e ajudasse a fornecer iscas adicionais, mas até agora eles não se mostram dispostos a tal.

“Não consigo entender porque eles não declararam. É pior do que a praga dos ratos de 1984“, afirma Karanouh.

“Acho que eles não querem fazer isso porque vão ter que desembolsar muito dinheiro”, continua.

Num comunicado, um porta-voz do ministro da agricultura, Adam Marshall, afirmou que “tanto o Departamento de Indústrias Primárias como os Serviços Terrestres Locais estão a fornecer informações e assistência aos proprietários de terras sobre como controlar ratos nas quintas”, mas indica que já existem iscas comerciais para ratos prontamente disponíveis nas lojas.

O governo pode ter medo de gastar até dezenas de milhões de dólares para tentar erradicar a praga dos ratos, quando uma onda de frio ou chuvas fortes podem eliminá-los naturalmente.

O grupo industrial NSW Farmers pediu uma licença de emergência para a utilização do pesticida fosforeto de zinco.

Autoridade Australiana de Pesticidas e Medicamentos Veterinários
Autoridade Australiana de Pesticidas e Medicamentos Veterinários

Uma porta-voz do governo federal disse que, embora as pragas sejam “principalmente de responsabilidade dos governos estaduais e territoriais”, a Autoridade Australiana de Pesticidas e Medicamentos Veterinários concedeu até agora uma licença emergencial de fosforeto de zinco para a Cotton Australia e está a avaliar mais duas.

Os moradores estão esperançosos de que as fortes chuvas na região esta semana e mais tempestades previstas nos próximos dias, acabarão com os meses de infestação.

Ratos fêmeas são capazes de procriar a partir de seis semanas de idade e dar à luz a 50 ratos por ano, mas os habitantes locais estão esperançosos de que a chuva inundará os ninhos e fornecerá o disjuntor necessário para conter o número.

“Estamos esperançosos”, afirma Karanouh. “Se aquela chuva vier na nossa direção, isso certamente afectará muito pela positiva”.

Fonte: theguardian.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here