Telepatia nos sonhos

0
106
Telepatia nos sonhos
Telepatia nos sonhos

A telepatia do sonho sugere que os seres humanos têm a capacidade de comunicar-se telepaticamente com outra pessoa enquanto estão a sonhar. E esse não é um conceito novo, pois o interesse científico pela telepatia remonta aos país do movimento psicanalítico. Freud, por exemplo, examinou as implicações da telepatia no pensamento psicanalítico. Ele também considerou a telepatia do sonho, ou a influência telepática do pensamento no sonho, em várias ocasiões. Carl Jung acreditava na hipótese telepática sem questionar, e até desenvolveu um sistema teórico para explicar eventos “paranormais” dessa natureza.

Parece que todas as grandes mentes encorajam o estudo de vários tipos de fenómenos não físicos.

De acordo com o doutor Stanley Krippner, professor de psicologia da Saybrook University, na Califórnia:

Stanley Krippner
Stanley Krippner

“Existe uma grande quantidade de material anedótico e clínico que apoia a possibilidade de efeitos telepáticos ocorrererem durante os sonhos. No entanto, uma abordagem experimental do tópico não é possível até que a tecnologia de laboratório psicofisiológico esteja disponível. Foi descoberto que os participantes da pesquisa do sono, acordados de períodos de atividade de movimento rápido dos olhos (REM), eram frequentemente capazes de lembrar-se de episódios dos sonhos. Como resultado, foi possível solicitar a um “receptor telepático” que tentasse sonhar com um estímulo que estava a ser focado num local distante de um “emissor telepático””.

Experiências e resultados

Em meados dos anos 1960, Montague Ullman, começaram algumas das experiências no Maimonides Medical Center em Brooklyn, Nova York, para testar a hipótese de que as pessoas poderiam ser preparadas para sonhar com materiais selecionados aleatoriamente. Por outras palavras, eles podiam escolher o que queriam sonhar antes de dormir e isso poderia incluir qualquer coisa, desde obras de arte a filmes, fotografias e muito mais. Pouco depois do início dessas experiências, Stanley Krippner juntou-se a Ullman, um cientista com formação em psicologia, parapsicologia e sonhos.

As experiências que eles conduziram duraram mais de 10 anos e “produziram resultados estatisticamente significativos”.

Montague Ullman
Montague Ullman

Durante as experiências, geralmente havia um “emissor telepático” e um “receptor telepático”. Eles encontravam-se no laboratório durante um curto período de tempo antes de serem colocados em quartos completamente separados, antes de adormecerem. Os remetentes telepáticos tinham um envelope à espera por eles no quarto em que dormiriam. Ele continha algo como uma imagem ou um desenho. Os receptores foram então acordados propositadamente logo após o início do sono Rapid Eye Movement (REM) para que os pesquisadores pudessem efectuar um relatório do sonho.

Sessões significativas

Uma sessão muito memorável e significativa de experiência de telepatia onírica aconteceu, onde a impressão artística selecionada foi a “School of Dance” de Edgar Degas, que retrata várias jovens mulheres numa aula de dança . De acordo com Krippner, os relatos dos sonhos dos destinatários incluíam frases como “Eu estava numa turma composta por talvez meia dúzia de pessoas, parecia uma escola e havia uma menina que estava a tentar dançar comigo”. Esses resultados são fascinantes e a ideia de que alguém pode influenciar os sonhos de outra pessoa abre muitas portas. Embora possamos não compreender o processo por trás da transferência de informações e não possamos ver essa transferência ocorrer de uma mente para outra, temos provas de que está a ocorrer. Isso é bastante comum quando examinamos estudos científicos que avaliaram fenómenos parapsicológicos como: “sabemos o que está a acontecer, mas não como”.

Outra sessão significativa conduzida por Krippner e Ullman ocorreu a 15 de Março de 1970. Nessa sessão, um grande grupo de pessoas num espectaculo de rock do Holy Modal Rounders foi selecionado para enviar algo telepaticamente. Um artista local chamado Jean Millay estava encarregado de preparar os remetentes telepáticos para a “preparação do alvo”. Ele fez isso com a ajuda da Lidd Light Company, um grupo de artistas responsável pelo show de luzes durante o espectáculo. Millay deu à audiência um breve conjunto verbal de instruções antes que a imagem aparecesse na grande tela que os remetentes telepáticos estavam a olhar. Seis projetores de slides foram utilizados ​​para projetar um filme colorido sobre as águias e os seus hábitos de nidificação, bem como informações sobre vários pássaros de todo o mundo (incluindo pássaros da mitologia, como a fênix).

Haviam cinco receptores telepáticos voluntários para esta experiência e todos eles estavam localizados num raio de 160 quilómetros dos remetentes telepáticos. Todos os receptores sabiam do local do espectáculo e foram orientados para gravar as suas imagens à meia-noite, pois era a essa hora que o material seria enviado para eles.

De acordo com Krippner:

“Uma receptora telepática, Helen Andrews, teve a impressão de “algo mitológico, como um grifo ou uma fênix”. O segundo, terceiro e quarto participantes da pesquisa relataram imagens de “uma cobra”, “uvas” e “um embrião em chamas”. O quinto participante foi Richie Havens, o famoso cantor e artista americano, que relatou fechar os olhos à meia-noite e visualizar “várias gaivotas a voar sobre a água”. Os relatórios do senhor Havens e da senhora Andrews representavam correspondências diretas com o material alvo”.

Resultados mais notáveis ​​foram vistos quando o grupo de rock Grateful Dead também se ofereceu para participar de uma sessão de telepatia de sonho durante um período de seis noites. Na verdade, esses resultados foram publicados pela American Psychological Association. [1]

Grupo musical: Grateful Dead
Grupo musical: Grateful Dead

Estas são geralmente as instruções dadas às pessoas que participam nessas experiências:

  1. Você está prestes a participar de uma experiências ESP;
  2. Em alguns segundos, você irá visualizar uma imagem;
  3. Tente utilizar o ESP para “enviar” esta imagem ao receptor;
  4. O receptor tentará sonhar com esta imagem. Tente “enviar” a eles;
  5. Em seguida, os destinatários serão informados da localização do remetente.

Possíveis explicações

A verdade é que não temos como explicar como isso funciona. Os pesquisadores envolvidos só puderam observar e registar o que estava a acontecer, o que, novamente, é muito comum em fenómenos parapsicológicos.

Ao mesmo tempo, essas experiências que envolvem sonhos, são um estado de “realidade” completamente diferente e alterado sobre o qual realmente não sabemos muito. É um mundo à parte do mundo no qual estamos “acordados”.

Fenómenos parapsicológicos

Os fenómenos parapsicológicos (PSI) têm sido estudados, documentados, observados e comprovados por vários cientistas célebres em laboratórios por todo o mundo. O Departamento de Defesa teve um grande interesse neste assunto durante vários anos, mas o estudo científico dele é escondido do público e deixado de fora das universidades e da ciência convencional, o que não é justo, e não está certo. Não é como se essa informação fosse inacessível para nós, algumas dessas documentações e publicações estão disponíveis no domínio público.

Fonte: collective-evolution.com

Notas:

[1] https://psycnet.apa.org/record/1986-13291-001

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here