Monsanto – rBGH (Hormona do Crescimento Bovino recombinante)

0
2642
Hormona de Crescimento Bovino (rBGH)
Hormona de Crescimento Bovino (rBGH)

A Monsanto gerou polémica em todo o território dos EUA com a introdução da somatotropina bovina, abreviada como rBST e vulgarmente conhecida como rBGH. Trata-se de uma hormona sintética que é injectada nas vacas para aumentar a produção de leite. A IGF-1 é a hormona directamente responsável pela produção de leite e que é estimulada pela rBGH na corrente sanguínea da vaca. A IGF-1 é uma hormona natural encontrada no leite de vacas e também no dos seres humanos, e é a causa da aceleração do crescimento nas crianças.Embora essa hormona, IGF-1, ocorra naturalmente no leite materno para alimentar os seus filhos, produz efeitos adversos em não-lactentes, comportando-se como um acelerador de cancro em adultos e não-lactentes. Esta hormona activa biologicamente é associada ao cancro da mama (a correlação refere-se sobretudo a mulheres na pré-menopausa), cancro da próstata, cancro de pulmão e cancro no cólon.

Um estudo acerca do leite patrocinado pela Monsanto não revelou diferenças significativas nos níveis de rBST entre os leites rotulados como “Livre de rBST” ou “Leite Orgânico” em comparação com os leites não rotulados como tal.

De acordo com o The New York Times, a marca da Monsanto de rBST, Posilac, foi recentemente (Março de 2008) o foco de um grupo de pressão pro-rBST, chamado AFACT, composto por grandes conglomerados empresariais lácteos e intimamente ligados à própria Monsanto. Este grupo envolveu-se em grandes esforços de pressão ao nível estatal para evitar que o leite que é livre de rBST seja rotulado como tal. Como o leite rotulado como livre de hormonas provou ser extremamente popular entre os consumidores, a justificação principal da AFACT pelos seus esforços foi a de que a rBST foi aprovada pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, e que a popularidade do leite vendido sem essas hormonas estaria a prejudicar aquilo que eles afirmam ser o direito dos produtores de leite de usar uma tecnologia que maximiza os seus lucros.

Hormona de Crescimento Bovino (rBGH)
Hormona de Crescimento Bovino (rBGH)

Até agora, uma resposta negativa por parte dos consumidores em relação aos esforços legislativos e regulatórios da AFACT tem prevenido o legisladores estatais no sentido de criarem restrições que banissem os rótulos do leite que é livre de hormonas, embora tal tenha sido tentado por alguns políticos, incluindo o Secretário da Agricultura da Pennsylvania, Dennis Wolff, que tentou banir os rótulos do leite livre de hormonas, alegando como justificação para essa medida, que esses rótulos confundiam os consumidores. A declaração do Secretário da Agricultura, Wolff, foi relatada pelo site pro-biotecnologia Earth Friendly-Farm Friendly:

“Os consumidores estão a ficar confusos com os rótulos extra”, afimou o Secretário da Agricultura da Pennsylvania, Dennis Wolff. “Os consumidores merecem ter capacidade de escolha, e merecem-no também os produtores. Mas do ponto de vista da segurança, todo o leite é leite saudável. O nosso leite é um produto seguro. O Departamento da Agricultura da Pennsylvania não está em posição de recomendar ou não o uso de rBST. A palavra de ordem é: Escolha. Eu usei rBST desde o primeiro dia em que foi aprovada até ao último dia em que ordenhei vacas. Foi uma ferramenta de gestão importante na minha fazenda de gado leiteiro. Aquilo ao qual nos opomos é à propaganda negativa ou campanhas de medo. Se fosse pedido aos produtores para desistir de uma produção eficaz, e se essa eficácia lhes rendesse de 3000 a 10000 dólares anuais de lucro extra nas suas fazendas de gado leiteiro… É muito dinheiro”

Até agora, foram feitas propostas de alteração de rótulos por lobistas da AFACT nos estados de New Jersey, Ohio, Indiana, Kansas, Utah, Missouri e Vermont.

Em Outubro de 2008, a Monsanto vendeu o seu negócio da hormona de crescimento bovina, na íntegra, à Eli Lilly, por um preço de 300 milhões de dólares mais certos aspectos adicionais.

Índice da Monsanto: https://paradigmas.online/?p=208

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here