As Superbactérias: O novo problema de saúde mundial

0
589
Super Bactérias
Super Bactérias

As bactérias super-resistentes a antibióticos são um fenómeno recente observado em pacientes que viajaram ao sul da Ásia para fazer cirurgias plásticas e retornaram a seus países. O primeiro estudo foi publicado em 2009, na revista médica The Lancet e refere-se ao gene NDM-1, encontrado até o momento nas bactérias Klebsiella pneumoniae e Escherichia coli, que causam pneumonia e infecção urinária. Esse gene produz resistência até aos antibióticos da classe das carbapenemas e pode levar a uma preocupante pandemia em futuro próximo.

Segundo os cientistas da Universidade de Madras, as novas bactérias chegaram à Grã-Bretanha trazidas por pacientes que viajaram à Índia ou ao Paquistão para realizar tratamentos cosméticos. Ao acompanhar pacientes com sintomas suspeitos, eles encontraram 44 casos (1,5% dos investigados) em Chennai e 26 (8%) em Haryana, na Índia. Também detectaram a superbactéria no Bangladesh e no Paquistão, bem como 37 casos na Grã-Bretanha. Os únicos antibióticos efectivos foram a tigeciclina e a colistina.

Os pesquisadores alertam que o gene se instala nos plasmídeos, estruturas de DNA que podem facilmente ser copiadas e transmitidas para diversos outros tipos de bactérias. “Isso sugere uma alarmante possibilidade de o gene espalhar-se e modificar toda a população de bactérias”, disse ao Correio Braziliense Timothy Walsh, médico descobridor do gene. A mutação foi causada pelo uso excessivo de antibióticos e porque nos países citados não há grandes cuidados higiénicos.

O gene já foi detectado também na Austrália e em Portugal, onde já se estuda a notificação compulsória. Até o momento, há casos relatados no Brasil, mas as autoridades médicas afirmam que ainda não se classifica a moléstia como Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional, classificação definida pelo Regulamento Sanitário Internacional (RSI 2005) para medidas contra novos agentes infecciosos. Autoridades da Índia protestaram contra a insinuação de que o país não é seguro para cirurgias. Por causa do turismo médico e das viagens internacionais, e devido à baixa expectativa de novos antibióticos, a bactéria pode tornar-se num grave problema de Saúde pública em todo o mundo.

O fenómeno da resistência bacteriana não é recente e decorre do uso indiscriminado de antibióticos e da má higienização nos hospitais. A diferença é que desta vez a resistência chegou ao nível em que nenhum antibiótico surte efeito contra as bactérias. Nas palavras do médico David Livermore, da Agência Britânica para a Proteção de Saúde:

“Se isto for ignorado, o nosso receio é que a resistência se comece a propagar por outras bactérias no Reino Unido. As bactérias que têm revelado essa resistência são as que normalmente causam infecções urinárias, particularmente em pacientes hospitalizados. Por vezes causam infecções em feridas e outras vezes pneumonias, um vasto leque de infecções que afectam principalmente pessoas mais vulneráveis, que já estejam doentes.”

NOTA:

A expressão “superbactéria“, muito usada na imprensa, não se refere ao poder patogénico do micro-organismo e sim à sua resistência aos antimicrobianos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here