Covid-19: Alguns estados americanos reduzem restrições

0
75
Descida de restrições
Descida de restrições

O Texas tornou-se o maior estado nos Estados Unidos da América a suspender a regra de utilização de máscara obrigatória, juntando-se a um movimento crescente de governadores e outros líderes do país ao reduzir as restrições do COVID-19, apesar dos apelos das autoridades de saúde para não o efectuarem.

O Lone Star State também eliminará os limites do número de clientes que podem ser servidos em ambientes fechados, afirmou o governador republicano Greg Abbott, que fez o anúncio num restaurante em Lubbock.

Os governadores do Michigan, Mississippi e Louisiana também reduziram as restrições nos bares, restaurantes e outros negócios na terça-feira, assim como o “mayor” de São Francisco.

Greg Abbott
Greg Abbott

“A remoção de mandatos em todo o estado não elimina a responsabilidade pessoal”, disse Abbott, ao falar numa sala de jantar lotada, onde muitos dos que estavam próximos não estavam com máscara. “Acontece que agora os mandatos estaduais não são mais necessários”.

Um ano após o início da crise, políticos e americanos comuns cansaram-se das regras destinadas a conter a disseminação do coronavírus, que matou mais de meio milhão de pessoas nos Estados Unidos. Alguns lugares estão a suspender as medidas de controlo de infecção. Noutros lugares, as pessoas ignoram-nas.

Oficiais de saúde importantes, incluindo o chefe do Centros de Controle e Prevenção de Doenças, responderam implorando repetidamente às pessoas para não arriscarem outra vaga mortal de contágio, justamente quando o país está a efectuar progressos na vacinação de pessoas e a vitória sobre o surto está à vista.

Os casos nos Estados Unidos da América desceram mais de 70% nos últimos dois meses, uma média de quase 250 mil novas infecções por dia, enquanto a média de mortes por dia baixou cerca de 40% desde meados de Janeiro.

Mas as duas curvas estabilizaram-se abruptamente nos últimos dias e até aumentaram ligeiramente e os números ainda estão em níveis alarmantes, com uma média de cerca de duas mil mortes e 68 mil casos por dia. As autoridades de saúde estão cada vez mais preocupadas com as mutações do vírus.

Centers for Disease Control and Prevention
Centers for Disease Control and Prevention

“Podemos vir a perder completamente o terreno conquistado com dificuldade”, advertiu a diretora do Centers for Disease Control and Prevention (CDC), Rochelle Walensky.

Mesmo assim, muitos americanos estão cansados ​​das paralisações que prejudicaram os seus meios de subsistência e estão ansiosos por socializar-se novamente.

Um bar na área de Indianápolis estava cheio de clientes sem máscara no fim de semana. No sul da Califórnia, as pessoas esperavam em filas que serpenteavam por um estacionamento para efecturem compras e comer em Downtown Disney, parte da Disneylândia. A Flórida está a preparar-se para receber os alunos nas férias da primavera.

“As pessoas querem ficar seguras, mas, ao mesmo tempo, estão fadigadas”, disse Ryan Luke, que está a organizar um comício de fim de semana em Eagle, Idaho, para encorajar as pessoas a patrocinar negócios que não exigem máscaras. “Nós apenas queremos viver uma vida quase normal”.

Michael Junge argumentou contra o mandato da máscara para funcionários da cidade turística de Branson, no Missouri, afirmaram que ele não a aplicou a utilização de máscara na sua empresa, Lost Boys Barber Company. Ele disse que está cansado disso.

“Eu acho que a coisa toda é uma piada, honestamente”, afirmou. “Eles afirmaram originalmente que isto duraria um mês e adiaram-no indefinidamente. … Isso deveria ter sido feito há muito tempo”.

Em São Francisco, uma presidente de camara otimista, London Breed, anunciou que a Califórnia deu luz verde para jantares em ambientes fechados e a reabertura de cinemas e ginásios.

London Breed
London Breed

“Precisamos desfrutar da sua cidade, aqui e agora”, disse ela no Fisherman’s Wharf, uma das maiores atrações turísticas da cidade. Ela acrescentou: “Ainda não estamos onde precisamos estar, mas estamos a chegar lá, São Francisco“.

O governador do Mississippi, Tate Reeves, disse que está a livrar-se da maioria dos mandatos de máscaras e a retirar a maioria de outras restrições, incluindo limites de assentos nos restaurantes, a partir de quarta-feira.

“O gabinete do governador está a deixar de informar às pessoas o que elas podem e o que não podem fazer”, disse o republicano.

A Flórida, que está a preparar-se para os turistas das férias de primavera, que reúnem-se nas suas praias ensolaradas, é um local considerado com “surto ativo”, juntamente com Texas, Connecticut, Delaware, Geórgia, Nova Jersey, Nova York, Rhode Island e Carolina do Sul, de acordo com a página de Internet de rastreamento de dados CovidActNow.

Ron DeSantis
Ron DeSantis

O governador da Flórida, Ron DeSantis, deixou claro durante o seu discurso anual sobre o estado do estado na terça-feira que dá as boas-vindas a mais visitantes na Flórida no seu esforço para manter a economia do estado a prosperar.

Os municípios da Flórida podem impor as suas próprias regras de máscara e toques de recolher, restringir o acesso à praia e colocar alguns limites em bares e restaurantes, mas alguns praticamente não têm tais medidas em vigor.

Miami Beach exigirá máscaras internas e externas e restringirá o número de pessoas permitidas na praia, bem como em bares e restaurantes.

“Se pretende festejar sem restrições, vá para outro lugar. Vá para Vegas“, disse o gerente da cidade de Miami Beach, Raul Aguila, durante uma recente reunião virtual. “Teremos uma atitude de tolerância zero em relação a esse comportamento”.

Gretchen Whitmer
Gretchen Whitmer

Em Michigan, um grupo chamado All Business Is Essential resistiu às “políticas de vírus” do governador Gretchen Whitmer e muitas pessoas estão a ignorar os requisitos de máscara e outras medidas, disse o líder do grupo Erik Kiilunen.

“Em algum momento, você precisa olhar-se no espelho e dizer: ‘Eu quero uma vida de risco zero?’”, afirmou. “Tornou-se uma farsa, realmente. As pessoas pararam de viver durante um ano, a que custo?”

“Acho que todas as pessoas querem que as coisas voltem a ser o que eram”, afirmou Aubrey D. Jenkins, o chefe dos bombeiros de Columbia, Carolina do Sul, cujo departamento emite dezenas de coimas de 100 doláres todos os fim de semana para frequentadores de bares que recusam-se a utilizar máscaras ou manter distância. “Mas ainda temos que ser muito cautelosos”.

Fonte: apnews.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here