COVID-19: Analise da mortalidade geral em Portugal no primeiro semestre de 2021

0
219
Distribuição de Mortalidade - Primeiro Semestre de 2021
Distribuição de Mortalidade - Primeiro Semestre de 2021

A expectável maior resistência à vacinação por parte dos mais jovens, está a motivar uma grande campanha propagandística, no sentido de os coagir a vacinar.

Entre os argumentos utilizados está a premissa de que os jovens estão actualmente a ser os mais afectados pela COVID-19.

Mas será verdade?

Sistema de Informação dos Certificados de Óbito
Sistema de Informação dos Certificados de Óbito

O gráfico na publicação, baseia-se em dados recolhidos no site da SICO (Sistema de Informação dos Certificados de Óbito). [1]

Apresenta uma média mensal dos óbitos (mortalidade geral – por qualquer causa) em Portugal, estratificados por faixa etária.

Os valores são os seguintes:

Janeiro:

<1 ano – 0,5
1 – 4 anos – 0,3
5 – 14 anos – 0,2
15 – 24 anos – 1,1
25 – 34 anos – 2,1
35 – 44 anos – 5,5
45 – 54 anos – 18,5
55 – 64 anos – 41,5
65 – 74 anos – 85,2
75 – 84 anos – 184,5
>=84 anos – 294,6

Fevereiro:

<1 ano – 0,5
1 – 4 anos – 0,04
5 – 14 anos – 0,2
15 – 24 anos – 0,6
25 – 34 anos – 1,6
35 – 44 anos – 4,0
45 – 54 anos – 13,3
55 – 64 anos – 32,7
65 – 74 anos – 66,5
75 – 84 anos – 134,3
>=84 anos – 202,7

Março:

<1 ano – 0,5
1 – 4 anos – 0,03
5 – 14 anos – 0,3
15 – 24 anos – 0,8
25 – 34 anos – 1,3
35 – 44 anos – 3,5
45 – 54 anos – 11,7
55 – 64 anos – 25,3
65 – 74 anos – 48,5
75 – 84 anos – 90,3
>=84 anos – 128,4

Abril:

<1 ano – 0,4
1 – 4 anos – 0,1
5 – 14 anos – 0,3
15 – 24 anos – 0,4
25 – 34 anos – 1,0
35 – 44 anos – 3,4
45 – 54 anos – 11,0
55 – 64 anos – 24,5
65 – 74 anos – 44,5
75 – 84 anos – 80,1
>=84 anos – 115,1

Maio:

<1 ano – 0,4
1 – 4 anos – 0,3
5 – 14 anos – 0,2
15 – 24 anos – 0,8
25 – 34 anos – 1,6
35 – 44 anos – 4,0
45 – 54 anos – 11,8
55 – 64 anos – 24,0
65 – 74 anos – 42,9
75 – 84 anos – 77,7
>=84 anos – 114,2

Junho:

<1 ano – 0,5
1 – 4 anos – 0,1
5 – 14 anos – 0,2
15 – 24 anos – 1,0
25 – 34 anos – 1,4
35 – 44 anos – 3,6
45 – 54 anos – 11,6
55 – 64 anos – 24,4
65 – 74 anos – 40,8
75 – 84 anos – 74,9
>=84 anos – 112,4

Nota:

a) As médias estão arredondas a uma casa decimal;

b) Alguns valores tiveram de ser arredondados a duas casas decimais por ser muito reduzidos;

c) Obviamente que não pode morrer 0,5 (meia pessoa) por dia. A forma de interpreta-lo é que morre uma pessoa a cada dois dias;

d) O mês de Junho só foi contabilizado até ao dia 29.

Interpretação dos dados:

Como se pode constatar pelos valores apresentados, auxiliados visualmente pelo gráfico na imagem principal da publicação, a mortalidade abaixo dos 44 anos tem-se mantido estável (a níveis muito reduzidos) ao longo dos primeiros meses de 2021, pelo que, poderá concluir-se que o pico de infecção respiratória (e excesso de mortalidade) registado nos primeiros dois meses do ano, não teve qualquer repercussão nestas faixas etárias.

Esse pico de mortalidade afectou quase exclusivamente os mais velhos. Pelo gráfico pode verificar-se de forma mais intuitiva, que a partir da faixa etária dos 55-64 anos, quanto mais idosa a faixa etária, maior é a discrepância entre a mortalidade dos dois primeiros meses do ano face à média dos meses seguintes.

Tal não se verifica nas faixas etárias mais novas, onde a mortalidade se manteve constante.

O contributo das faixas etárias abaixo dos 45 anos para a mortalidade geral é quase nula.

A conclusão é óbvia: o pico de mortalidade COVID-19 afectou quase exclusivamente os mais idosos, sobretudo, os muito idosos.

Após esses dois primeiros meses, a mortalidade COVID-19 tem figurado a níveis próximos do zero.

No mês de Junho (até ao dia 29), registou-se uma média de 271 óbitos diários, dos quais, apenas 2 óbitos se deveram à COVID-19. [2]

Atenção que mesmo estes números de mortalidade COVID-19 deverão estar enviesados devido ao inadequado método de diagnóstico e classificação de óbito por COVID-19, que maximizam os valores apresentados.

São números que provam que actualmente não há qualquer problema de Saúde Pública em Portugal. Ou seja, não só os jovens não estão a ser afectados, como a população no geral, em qualquer faixa etária, está praticamente livre da COVID-19.

Daí se retira que as medidas aplicadas, que estrangulam inexoravelmente o tecido económico português (sobretudo ao nível do turismo), estão completamente desfasadas da realidade, e actuam de forma unicamente destrutiva.

Fontes:

[1] «Mortalidade em tempo real», SICO – eVM.

[2] Mortalidade: dados diários apresentados pela Direcção Geral da Saúde:

Direcção Geral da Saúde

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here