COVID-19: Festejos do Sporting e o regime da mentira e do alarmismo

0
124
Gráficos de novos casos de Covid-19
Gráficos de novos casos de Covid-19

Relativamente aos festejos do título leonino (11 de Maio de 2021), passaram-se cinco dias (20 no total), para além dos fatídicos 15 que são habitualmente perfilados pelos agentes do alarmismo, como o limiar a partir do qual se tornam visíveis os nefastos resultados em termos de saúde pública decorrentes de toda e qualquer prevaricação do povo, neste caso, em forma de ajuntamentos em massa.

Como se pode ver pelo Gráfico 1 na imagem principal da publicação, daí não decorreu qualquer tragédia. Nem sequer qualquer alteração da situação.

É desonesto fazer-se referência ao Rt, tendo em conta o tipo de parâmetro que é, e é desonesto falar-se num aumento de casos, sobretudo quando estes não revelam qualquer alteração estatisticamente significativa.

O governo prometeu um aumento da testagem massiva para “combater o aumento de casos”. Em circunstâncias onde a prevalência de uma doença é mínima ou nula, a testagem massiva provoca aquilo que se pretende combater: um aumento de casos. [7]

Efectivamente, a partir do dia 14 de Maio de 2021 aumentou-se gradualmente a testagem de 3,62 para 3,84 pessoas por mil habitantes, o que estatisticamente poderá estar ligado a um ligeiro aumento dos casos. [6]

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica
Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica

Os dados relativos aos “casos” chegam-nos através do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE), gerido pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, onde os laboratórios inserem directamente a informação dos milhares de testes PCR e de Antigénico que se realizam diariamente.

A informação acerca da quantidade de testes realizados, a distinção sobre testes PCR ou Antigénico (que possuem Especificidades diferentes e como tal têm Taxas de Falsos Positivos diferentes) e os seus resultados são fornecidos pelos próprios laboratórios, cuja actividade entra em conflito directo com a veracidade da informação prestada, sem que haja qualquer entidade independente que valide a informação, o que constitui um procedimento bastante opaco.

Mas ainda que estes dados possam ser manipulados, continua sem se conseguir justificar a psicose colectiva baseada no medo através de mortalidade e internamentos. O que se faz é recorrer a outros expedientes, como o número de casos e o tão badalado Rt, que nas circunstâncias actuais, não servem como critério.

Para que estes expedientes surtam efeito, é necessário que se escamoteie várias evidências básicas, como a sazonalidade das infecções respiratórias. E nesse sentido, observando a trajectória do que tem sido esta putativa pandemia, não pode deixar de se concluir que o padrão sazonal de infecções respiratóras tem sido mantido.

A Comunicação Social convida pretensos especialistas, como um matemático (Óscar Felgueiras) [1], para prestarem um serviço de Adivinhação, assente numa retórica puramente especulativa e que acoberta factos evidentes.

Infelizmente, é o suficiente para defraudar boa parte da população.

Conclusão:

Atlanta Braves vs. Phildelphia Phillies
Atlanta Braves vs. Phildelphia Phillies

Observando a realidade, pode concluir-se que nem os festejos do Sporting Clube de Portugal (que aconteceram por todo o país), nem os do Sporting de Braga [3], nem os do Futebol Clube Vizela [4], nem as 73.126 pessoas que no Texas assistiram a um combate de boxe no Estádio AT&T (Gráfico 2 da imagem principal da publicação) [2], nem o estádio cheio no jogo Atlanta Braves vs. Phildelphia Phillies (Gráfico 3 da imagem principal da publicação) [5] ou as dezenas de manifestações ou outros eventos sociais que se têm sucedido por todo o lado (poderiamos citar dezenas de exemplos), têm tido qualquer impacto ao nível da saúde pública.

O claro enviesamento dos factos e manipulação da percepção da realidade por parte da Comunicação Social, não surtiria qualquer efeito, caso a memória não fosse curta e houvesse uma pequena abertura para o pensamento crítico e a consideração lógica de alguns factores.

Evitar-se-ia o ruído intragável de frases como “Daqui por 15 dias é que vais ver!”

Glossário:

R(t): É o Índice de Transmissibilidade. É calculado através da incidência. O valor é 1, se a incidência for igual à anterior, maior que 1, se a incidência for superior à anterior, e menor que 1, se a incidência for menor que anterior. Idealmente, este índice serve para se perceber se a incidência está a crescer, ou seja, se o nível de infecções está a subir, o que permite perceber se uma dada doença infecciosa se está a propagar.

Exemplo: com um R(t) = 1, cada pessoa infecta, em média, uma pessoa. Com um R(t) = 4, cada pessoa infecta, em média, 4 pessoas.

No entanto, no caso da COVID-19, tendo em conta o flagelo dos Falsos Positivos, o R(t) poderá ser manipulado pelo aumento ou diminuição do número de testes efectuados.

Fontes:

[1] «Festejos do Sporting explicam aumento de casos em Lisboa, dizem especialistas», Publico. 21 de Maio de 2021

[2] «AT&T Stadium sets pandemic record with boxing crowd of 73,126», NBC Sports. 8 de Maio de 2021

[3] «Euforia reinou na cidade de Braga nos festejos da conquista da Taça», Desporto Ao Minuto. 24 de Maio de 2021

[4] «Subida de Vizela à I Liga festeja-se pelas ruas», Sic Noticias. 23 de Maio de 2021

[5] «Phillies vs. Braves Game Highlights (5/8/21) | MLB Highlights», Youtube. 9 de Maio de 2021

[6] «Coronavirus (COVID-19) Testing», Our World in Data

[7] «Covid-19. Governo promete “testagem maciça” para combater aumento de casos na região de Lisboa», Publico. 23 de Maio de 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here