Kary Mullis, criador do teste PCR, levantou sérias dúvidas em relação à utilização do mesmo para doenças infecciosas

0
84
Kary Mullis
Kary Mullis

Tem havido muita controvérsia sobre as alegações de que Kary Mullis, o criador do teste PCR, que está a ser amplamente utilizado para detectar os chamados ‘casos’ de COVID-19, não acreditava que a tecnologia fosse adequada para detectar doenças infecciosas em massa.

Os que avançaram com tais afirmações foram atacados por Fact-Checkers e pelos Meios de Comunicação Social, alegando que os comentários de Mullis tinham sido retirados do contexto.

Mullis faleceu infelizmente em 2019. Certamente teria muito a dizer sobre a situação actual.

Abaixo apresentamos um vídeo em que Mullis fala sobre a eficácia da tecnologia. No vídeo, Mullis discorre sobre a polémica em torno da causalidade da SIDA.

Diz Mullis:

“Não acho que se possa usar o PCR indevidamente. Só os resultados, a interpretação dos resultados. Se eles podem encontrar um vírus em si – e com o PCR, se for bem feito, pode encontrar quase tudo em qualquer pessoa.”

Mullis não afirma explicitamente que a tecnologia PCR é inadequada para detectar uma presença significativa de SARS-CoV-2. Nem poderia, uma vez que faleceu antes do aparecimento da COVID-19. Mas tal conclusão pode ser inferida com segurança:

“Isto faz com que se comece a acreditar naquela que é, mais ou menos, a noção Budista de que tudo está contido em tudo o resto. Se se puder amplificar uma única molécula até algo que se possa medir, o que pode ser feito pelo PCR, então haverá muito poucas moléculas das quais não se possua pelo menos uma no seu corpo.”

Ou seja, quanto mais ciclos de amplificação usados no PCR, mais probabilidade há de testar positivo.

Mullis então aborda a questão do que deve ser considerado significativo, que é a questão central do uso dos testes PCR. Será que o número de ‘casos’, usado em todo o mundo por governos para impor estados policiais e destruição flagrante de direitos significa realmente alguma coisa? A resposta parece ser ‘não’:

Isso pode ser considerado um uso indevido: alegar que [um teste PCR] é significativo. Informa algo acerca da natureza e do que lá está. Testar uma coisa e dizer que tem um significado especial é, penso eu, o problema. A medida para isso não é exata; não é tão bom quanto a medição de maçãs. Os testes são baseados em coisas que são invisíveis e os resultados são inferidos de certa forma. Permite que se pegue numa quantidade minúscula de qualquer coisa, torne-a mensurável e se possa especular sobre isso. ”

Mullis também aborda, por implicação, outra questão sobre a incidência de ‘casos’. Se o seu teste for positivo, será que está realmente doente? Era isso que antes significava a palavra “casos”: pessoas que padeciam de uma doença. A posição de Mullis é clara:

“(…) o teste PCR é um processo que serve para fazer muito de alguma coisa, mas não te diz se estás doente (…)”

Num artigo de John Lauritsen [1] refere outra opinião de Mullis em relação à sua criação:

PCR Quantitativo é um oximoro. O PCR destina-se a identificar substâncias qualitativamente. Pela sua natureza é inapropriado para estimar números. Embora haja uma impressão errônea comum de que os testes de carga viral contabilizam realmente o número de vírus no sangue, esses testes não conseguem detectar vírus infecciosos livres, só podem detectar proteínas que se acredita, em alguns casos erroneamente, serem exclusivas do HIV. Os testes podem detectar sequências genéticas de vírus, mas não os próprios vírus.”

Esta afirmação refere-se ao HIV, mas a mesma lógica poderá aplicar-se ao SARS-CoV-2.

Vídeo:

Fontes:

[1] «Has Province Town become Protease Town?» John Lauritsen. New York Native. 9 de Dezembro de 1996.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here