Recusar vacina da Covid-19 pode causar penalizações para as pessoas em alguns países

0
103
Vacinação Covid-19
Vacinação Covid-19

Alguns países estão a afinar os seus campos de vacinação Covid-19 para o público: Recebem uma vacina ou enfrentam uma potencial penalização.

Com as campanhas de vacinação a intensificarem-se a nível mundial e algumas faltas de abastecimento a atenuarem-se, os governos estão à procura de formas de garantir que as retenções não minem os esforços para vacinar pessoas suficientes para alcançar a imunidade de grupo.

As sanções variam desde multas e restrição do acesso a locais públicos até à ameaça de perda do acesso prioritário às vacinas.

A Indonésia afirmou que as autoridades podem impor multas aos residentes que se recusem a ser vacinados. A capital, Jacarta, ameaçou com multas de até 356 dólares ou mais de um mês de salário médio, de acordo com o produto interno bruto per capita do país.

Israel, casa do mais rápido lançamento de vacinas Covid-19 do mundo, traçou uma linha firme entre aqueles que tinham e não tinham recebido vacinas, uma vez que revelou os planos de reabertura da sociedade no domingo. Aqueles com aquilo que chamam passaportes verdes, que verificam uma vacinação, podiam entrar em ginásios, hotéis e eventualmente viajar sem quarentena.

Inquérito Ipsos sobre a aprovação da vacinação em alguns países
Inquérito Ipsos sobre a aprovação da vacinação em alguns países

A União Europeia e os funcionários australianos consideraram restrições de viagem para aqueles que não possuem prova de vacinação. O Supremo Tribunal do Brasil decidiu que aqueles que rejeitam uma vacina Covid-19 poderiam ser banidos de certas actividades e espaços públicos. Os brasileiros protestaram contra a imposição da vacina Covid-19.

Para outros países, a pena será restringir o acesso à própria vacina. Singapura ameaçou não reservar doses para aqueles que recusarem ser inoculados e a Coreia do Sul afirmou que aqueles que recusarem serão postos no final da fila.

Mais pessoas expressaram a intenção de obter uma vacina Covid-19 num inquérito Ipsos divulgado no início deste mês, com o sentimento a aumentar desde o final do ano passado. O inquérito sondou adultos com 75 anos de idade e jovens de 15 países. Mas na maioria dos países inquiridos, pelo menos uma em cada cinco pessoas continuava a desconfiar de ser vacinada, citando os efeitos secundários, os ensaios clínicos acelerados e a eficácia como as principais razões para a sua hesitação.

Os funcionários estão a lidar com a melhor forma de obrigarem os cidadãos. Os peritos de saúde alertam que ser demasiado prescritivo pode ser ineficaz, apontando para retrocessos contra os esforços governamentais para reduzir o tabagismo há décadas atrás e fazer com que as pessoas usem máscaras faciais durante a pandemia. A Organização Mundial de Saúde advertiu que tornar obrigatórias as vacinas Covid-19 poderia desencorajar as pessoas de se vacinarem.

Physicians for Human Rights
Physicians for Human Rights

“Na saúde pública é geralmente melhor trabalhar com cenouras do que com paus”, afirmou o doutor Ranit Mishori, um conselheiro médico sénior da Physicians for Human Rights, um grupo de defesa dos direitos humanos. “Precisamos de conhecer pessoas onde elas estão”, concluiu.

Os Estados Unidos da América, o Japão e grande parte da Europa têm até agora tornado voluntária a tomada de vacinas. Para encorajar os cidadãos, os políticos têm recebido vacinas em directo na televisão, enquanto os governos têm desenrolado campanhas agressivas que procuram fazer passar a palavra.

Os receios sobre as vacinas Covid-19 podem ser apenas uma parte da razão para as taxas de participação mais baixas. As barreiras à inoculação para muitos cidadãos vulneráveis continuam a ser demasiado elevadas, para além da falta de oferta, devido à falta de proximidade, a complicações na marcação de consultas ou até mesmo a falta de tempo no trabalho para receber uma vacina, afirma a doutora Mishori, que também ensina saúde familiar na universidade de Georgetown.

Ainda assim, os funcionários na Indonésia afirmam que esperam encontrar resistência às vacinas. De acordo com uma sondagem realizada em meados de Dezembro pela Saiful Mujani Research and Consulting, uma empresa de sondagens na Indonésia, 37% dos inquiridos dizem que tomariam uma vacina para o Covid-19, 17% disseram que não o fariam e 40% disseram que estavam indecisos.

Saiful Mujani Research and Consulting
Saiful Mujani Research and Consulting

“As sanções são o nosso último esforço para encorajar a participação das pessoas”, afirma o funcionário do Ministério da Saúde Siti Nadia Tarmizi, de acordo com um artigo da Reuters.

Outros países da Ásia não enfrentam tanta resistência, mas o relativo sucesso na contenção do Covid-19 deixou as pessoas com menos urgência em se vacinarem. Menos de metade dos sul-coreanos, ou cerca de 46%, estão dispostos a ser vacinados de imediato, de acordo com uma sondagem do Korea Society Opinion Institute. Quase metade dos outros adultos que responderam preferiram acompanhar a situação.

A Coreia do Sul, quer vacinar 70% da população até Novembro, ou o equivalente a todos, excepto as grávidas e as pessoas com 18 ou mais jovens, que provavelmente serão os últimos a ser priorizados devido à falta de dados de ensaios clínicos para esses grupos.

As pessoas que não se registarem quando for a sua vez de serem vacinadas serão colocadas no fim da fila, incluindo os profissionais de saúde que são os primeiros da fila, afirmaram os funcionários de Seul. “Pedimos que confiem nelas e que participem plenamente na recepção da inoculação das vacinas“, aifrmou o primeiro-ministro Chung Sye-kyun.

Nos próximos meses, à medida que as vacinas se generalizarem, os empregadores, escolas e outras instituições poderão procurar fazer cumprir as suas próprias exigências em termos de vacinas, afirmam os especialistas em saúde.

Cidade do Vaticano
Cidade do Vaticano

O Vaticano afirmou que iria explorar soluções alternativas para os trabalhadores que se recusassem a levar as vacinas Covid-19, depois de terem sido atingidos por um decreto do início deste mês que sugeria que os trabalhadores poderiam perder o seu emprego se não fossem vacinados. O decreto de 8 de Fevereiro do governador da Cidade do Vaticano afirma que aqueles que recusassem vacinações sem uma razão de saúde poderiam receber outra posição.

Países com maiores intenções de serem vacinados contra a Covid-19 tendem a ser nações asiáticas com forte confiança no governo, como a China, Singapura e Coreia do Sul, de acordo com um estudo publicado pela Nature Medicine, uma revista médica, em Outubro. Mas era menos provável que as pessoas aceitassem uma vacina se esta fosse mandatada em vez de recomendada, de acordo com o autor do estudo, que entrevistou pessoas em 19 países.

“Em alguns países asiáticos onde as pessoas estão mais familiarizadas com o facto de o governo ser mais assertivo, obrigar os cidadãos a serem vacinados pode ser mais aceite”, afirma William Schaffner, professor de medicina preventiva na faculdade de medicina da universidade de Vanderbilt. “Mas é uma tecnologia inteiramente nova, feita muito rapidamente, pelo que se tem de respeitar o cepticismo e a hesitação”, concluiu.

Fonte: «Declining a Covid-19 Vaccine Risks Penalties in Some Countries», Wall Street Journal. 22 de Fevereiro de 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here