A Vacina COVID-19 e as Vagas Subsequentes

2
532
A Vacina COVID-19 e as Vagas Subsequentes: O Burro e a Cenoura
A Vacina COVID-19 e as Vagas Subsequentes: O Burro e a Cenoura

A vacina tem sido apontada como uma espécie de salvação para aquilo que foi vendido como sendo uma “Pandemia Mortífera“.

Numa altura em que se preparam planos de Vacinação, é importante referir os seguintes pontos:

1 – Evitar o Desamparo Adquirido

É conhecida a forma como funciona a psique humana no que diz respeito a passar por períodos de crise e dificuldades. Se houver um “locus” de controlo interno, ou seja, se o indivíduo acreditar ter em sua posse poder para resolver a situação, manter-se-á agregado e motivado psicologicamente. Está a passar por dificuldades, mas há uma esperança.

A existência de uma vacina que é apresentada como uma salvação para esta putativa crise constitui o amparo que permite que a população permaneça firme na execução das medidas impostas e assim o seu comportamento não se desagregue ou se torne disruptivo. A Sociedade e a Economia estão depauperar-se, mas pelo menos, algures no horizonte, com uma data mais ou menos fixada, está a solução.

A inexistência de um tal amparo, redundará num constructo que foi avançado pelos psicólogos Martin Seligman e Steven Maier em 1967, chamado “Desamparo Adquirido“. [1]

Obviamente isso é algo que precisava ser evitado.

A dicotomia medo / esperança foi sempre utilizada para controlar as massas. Várias religiões, sobretudo as monoteístas, conhecem bem este método.

2 – Será a Vacina uma salvação?

Que solução poderá constituir uma vacina para uma putativa pandemia que é alimentada pelo “Paradoxo dos Falsos Positivos” provocado pela testagem em massa? [2]

Que solução poderá constituir uma vacina numa população que apresenta forte imunidade para o SARS-CoV-2? [3]

Será que uma vacina irá “erradicar o vírus” como se ouve falar, quando temos o exemplo da Gripe que acontece anualmente, com uma prevalência e mortalidade que são alheias à vacina?

O próprio Tedros, director geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), já veio afirmar que a vacina não irá terminar a pandemia. [4]

Anthony Fauci, conselheiro de Estado norte-americano para a área da Saúde também já veio alertar para a necessidade de se prosseguir com as medidas aplicadas, apesar da vacina: máscaras, distanciamento social, etc. [5]

Que eficácia poderá ter uma vacina que parta das mesmas premissas falsas que alimentaram a percepção de uma pandemia?

3 – Eficácia da vacina

Tem sido animadoramente veiculado pela imprensa uma taxa de 90% de eficácia da vacina. [6]

Sem aprofundar muito acerca do estudo, analisemos o que isto quer dizer:

A análise avaliou 94 casos confirmados de COVID-19 num ensaio com 43.538 participantes. Destes, a Pfizer dividiu-os em dois grupos, vacinados e não-vacinados (grupo de controlo), e daí concluiu que a taxa da eficácia da vacina é de 90%.

94 em 43.538 perfaz 0,2% de prevalência da doença na população estudada. [7][8] Utilizando os 97% assumidos de Especificidade do PCR para a COVID-19, [9] dá uma taxa de 15 falsos positivos para cada verdadeiro positivo, ou seja, cerca de 93% de Falsos Positivos. Já sabemos onde foi a Pfizer buscar a sua taxa de eficácia.

De forma esperada, as acções da Pfizer escalaram após este anuncio. [12]

Na decorrência disto, e de forma muito elucidativa, o CEO da Pfizer, Albert Bourla, vendeu boa parte das acções em sua posse, arrecadando 5,6 milhões de dólares. [11]

Ainda em relação à Pfizer, o Dr. Michael Yeadon, ex-vice-presidente e cientista chefe da empresa, veio a público afirmar que não havia necessidade de vacina, porque a pandemia já tinha acabado. [13]

Outra curiosidade digna de ser mencionada: Bill Gates, que ameaça tornar-se caso sério como profeta, já tinha anunciado previamente que a vacina da Pfizer seria a primeira a obter licença. [14]

Em Portugal, foi com alguma perplexidade que se recebeu a notícia de que os idosos, que constituem o verdadeiro grupo de risco, estarão no fim das prioridades para a vacinação. [10]

Mas essa decisão começa a fazer sentido à luz daquilo que temos vindo a abordar neste artigo. A vacina será ministrada prioritariamente àqueles abaixo dos 65 anos, que são precisamente aqueles a quem a putativa pandemia é inofensiva. Que melhor forma de forjar eficácia?

4 – As próximas vagas

De acordo com tudo o que tem sido abordado neste artigo, a percepção de eficácia da vacina vai depender de se continuar ou não a testar em massa.

Se se deixar de testar em massa, a percepção vai ser a de que a pandemia chegou ao seu final e como tal, a vacina teve o efeito desejado.

Se se continuar a testar em massa, irão continuar a surgir casos massivamente (a não ser que se reduzam os ciclos PCR de testagem).

Irá afirmar-se que a vacina não teve a eficácia desejada, mas que tal se deveu a ter havido pouco tempo para o seu desenvolvimento, sendo que a próxima versão, com mais tempo disponível, será muito mais eficaz. Continuará a apelar-se à população para que continue com as medidas impostas.

A cenoura continua colocada e o burro continua em andamento.

De esperança em esperança, a narrativa prossegue.

Sem recurso a futurologia, seria de optar pela maior probabilidade desta segunda hipótese.

P.S.: Este artigo não aborda os possíveis efeitos secundários da vacina.

Fontes:

[1] Seligman, M. E., & Maier, S. F. (1967). Failure to escape traumatic shock. Journal of Experimental Psychology, 74(1), 1–9. https://doi.org/10.1037/h0024514

[2] «Teste PCR: participação na Pandemia da COVID-19.» Paradigmas. 18 de Novembro de 2020.

[3] «População apresenta forte imunidade em relação ao SARS-CoV-2.» Paradigmas. 24 de Outubro de 2020.

[4] «WHO Chief Warns Vaccine Won’t End Covid-19 Pandemic As Moderna, Pfizer Announce Early Successes.» Forbes. 16 de Novembro de 2020.

[5] «Fauci cautions that a Covid-19 vaccine won’t eliminate the need for masks and public health measures.» CNN. 25 de Setembro de 2020.

[6] «Pfizer, BioNTech say Covid vaccine is more than 90% effective — ‘great day for science and humanity’.» CNBC. 9 de Novembro de 2020.

[7] Nem a Calculadora do BMJ (British Medical Journal) para o cálculo de resultados dos testes COVID-19 permite prevalências abaixo de 1%.

[8] Recorde-se que o Limite de Prevalência para que se tornasse aceitável testar em massa para a COVID-19 é 9,3%, número muito acima de 0,2%. Sabendo-se que quando se atravessa o Limite de Prevalência estabelecido, a taxa de positivos sobe de forma exponencial, já se poderá ter uma ideia do que isso significa:

Balayla, J., Lasry, A., Gil, Y., Volodarsky-Perel, A. (2020). Prevalence Threshold and Temporal Interpretation of Screening Tests: The Example of the SARS-CoV-2 (COVID-19) Pandemic. medRxiv. https://doi.org/10.1101/2020.05.17.20104927

[9] «Testes feitos aos jogadores da I Liga terão dado “falsos positivos”.» Observador. 23 de Maio de 2020.

[10] «Vacina: DGS quer que idosos fiquem no fim das prioridades.» Expresso. 26 de Novembro de 2020.

[11] «Pfizer’s CEO cashed out $5.6 million of stock after trumpeting its COVID-19 vaccine. That’s 30% of his total compensation last year.» Business Insider. 12 de Novembro de 2020.

[12] «BioNTech, Pfizer stocks skyrocket after COVID vaccine shows over 90% efficacy.» Business Today. 18 de Dezembro de 2020.

[13] «No need for vaccines, COVID pandemic is over, says Former Vice President of Pfizer.» National Herald. 27 de Novembro de 2020.

[14] «Previsão de Bill Gates confirmada: “Única vacina que poderá ter licença experimental até outubro será da Pfizer”». O Jornal Económico. 15 de Novembro de 2020.

2 COMENTÁRIOS

  1. A ilustração é ótima, os argumentos são falácias e idiotices que já trouxe ou facilitou a morte 206 mil brasileiros, hoje, e muitos mais nos EUA. Qualquer criança de quinta série sabe que se combate virus com vacina. Estes pseudos argumentos só prejudicam mais os desinformados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here