Factos relativos ao tratamento e não tratamento do cancro

0
127
Tratamento de cancro
Tratamento de cancro

Durante décadas houve uma grande controvérsia no seio da comunidade médica sobre que tipo de tratamento médico é mais eficaz no tratamento do cancro. As últimas descobertas revelam que todo o tratamento médico convencional para o cancro é praticamente inútil.

O falecido doutor Hardin B. Jones, professor de física e fisiologia médica em Berkeley, Califórnia, fez um estudo que durou 25 anos da vida dos pacientes com cancro e concluiu que os pacientes não tratados não morrem mais cedo do que os pacientes que recebem tratamento ortodoxo: cirurgia, radiação e quimioterapia. Em muitos casos vivem mais tempo. O doutor Jones entregou o seu relatório no Seminário de Escritores Científicos da Sociedade Americana do Cancro (11º) a 28 de Março a 2 de Abril de 1969, no qual confirmou o que tinha escrito já em 1955, no seu trabalho clássico. “Demographic Consideration of the Cancer Problem“, publicado em Transactions of the New York Academy of Sciences.

No seu artigo de 1955, o doutor Jones demonstra como os estudos sobre o cancro são manipulados com o objectivo de fazer parecer que os doentes de cancro tratados vivem mais tempo do que os não tratados. Referindo-se a um estudo particular sobre o cancro da mama, ele afirma: “Casos que morreram durante o tratamento, ou que acompanharam de perto o tratamento, foram descartados devido ao possível efeito da severidade do tratamento”.

Hardin B. Jones
Hardin B. Jones

Em 1969, antes do seminário de escritores científicos da Sociedade Americana do Cancro, o doutor Jones salientou que o fracasso dos estudos de sobrevivência passados era que não tinham em conta que os piores casos, inoperantes, ficavam nos grupos que não eram tratados. Assim, muitos estudos sobre o cancro baseavam-se em investigações efectuadas com casos operáveis e “mais saudáveis”, dando o juízo errado de que a cirurgia e a radiação eram de valor no tratamento do cancro. Quando Jones corrigiu tal enviesamento estatisticamente, descobriu que a esperança de vida dos casos de cancro não tratados era maior do que a dos casos tratados. O doutor Jones concluiu que “as provas para beneficiar da terapia do cancro dependiam de erros biométricos sistemáticos”.

Após quase 40 anos como investigador sobre o cancro, o doutor Jones descobriu, por exemplo, que a sobrevivência no cancro da mama é 4 vezes mais longa sem tratamento convencional. declarou, “As pessoas que recusaram o tratamento viveram durante uma média de 12-1/2 anos. Aqueles que aceitaram outros tipos de tratamento viveram, em média, apenas 3 anos. Para além da sombra de dúvida, a cirurgia radical em doentes com cancro faz mais mal do que bem”.

É importante notar que não apareceram refutações do trabalho do doutor Jones, enquanto por outro lado, os seus estudos foram apoiados por outros investigadores, como revela uma pesquisa do Índice de Citação Científica.

Até o Journal of the American Medical Association tomou nota do fenómeno quando, na sua edição de 2 de Fevereiro de 1979, publicou um artigo sobre o diagnóstico e tratamento do cancro da mama pelo doutor Maurice Fox, um biólogo do Massachusetts Institute of Technology. Com base em estudos realizados na Escola de Saúde Pública de Harvard, o doutor Fox descobriu, entre outras coisas, que: a mastectomia radical não era melhor do que a simples remoção de caroço.

O cancro da mama foi diagnosticado com duas vezes mais frequência em 1975 do que em 1935. A taxa de mortalidade foi também o dobro, mostrando que não se tinham feito progressos.

Aqueles que recusaram procedimentos médicos tinham uma taxa de mortalidade mais baixa do que aqueles que se submeteram.

A detecção precoce significava tratamento acelerado e morte precoce.

Instituto Weizmann
Instituto Weizmann

Assim, de acordo com o doutor Jones e outros investigadores, parece que o tratamento de cancro sancionado medicamente encurta dramaticamente a vida das vítimas de cancro, enquanto que, podemos acrescentar, aumenta a sua dor e sofrimento a um grau intolerável. Afinal de contas, o tratamento pode realmente espalhar um cancro e estimular o crescimento de metástases mortais. Estas metástases são na realidade inibidas pelo tumor primário, de acordo com os estudos do doutor Michael Feldman e dos seus colegas do Instituto Weizmann em Israel em 1978. A própria radiação é bem reconhecida como causadora de cancro e a quimioterapia não só é devastadora e prejudicial, como ineficaz.

Um artigo no The Lancet, de 15 de Março de 1980, intitulado “Failure of Chemotherapy to Prolong Survival in a Group of Patients with Metastatic Breast Cancer“, declarou:

“A sobrevivência global das pacientes com cancro de mama primário não melhorou nos últimos 10 anos, apesar do uso crescente de quimioterapia com múltiplos medicamentos para o tratamento da metástase. Além disso, não houve qualquer melhoria na sobrevivência das primeiras metástases e a sobrevivência pode mesmo ter sido encurtada em algumas pacientes submetidas a quimioterapia.

A análise actuarial da sobrevivência não revela qualquer prolongamento na sobrevivência global, apesar do aumento do uso de quimioterapia com múltiplos medicamentos para a doença metastática. A sobrevivência dos 78 pacientes que receberam quimioterapia desde a primeira detecção de metástases não foi melhor do que a dos 80 que não receberam quimioterapia. Também não houve melhoria na sobrevivência daqueles que receberam quimioterapia de múltiplas drogas, 66 pacientes. O facto de as regressões do cancro da mama não terem tido influência na sobrevivência global deve reflectir a inadequação da quimioterapia actual”.

Obviamente, as pacientes com cancro não têm conhecimento da ineficácia da quimioterapia, mas os seus efeitos sobre o corpo são tão bem conhecidos, que não é de admirar que tenhamos agora relatos de pacientes com cancro que se recusam a subscrever a quimioterapia. De acordo com os resultados de um estudo realizado pela doutora Alexandra Levine do Kenneth Norris Center Hospital and Research Institute em Los Angeles, 85% dos doentes oncológicos a quem são prescritos comprimidos de quimioterapia não os tomam. E porque deveriam? “Afinal de contas” afirma a doutora Levine, “Estamos a dizer-lhes: ‘Tomem o medicamento. Causará efeitos secundários, mas não sabemos se irá ajudar”.

Alexandra Levine
Alexandra Levine

E quais são esses “efeitos secundários” que os doentes com cancro são encorajados a ignorar? Destruição do sistema imunitário, leucopenia, hemorragia, supressão das gónadas, depressão da medula óssea, flebosclerose, celulite grave, vesiculação, necrose dos tecidos, febre, calafrios, náuseas, vómitos prolongados, queda parcial ou total do cabelo, letargia, desorientação, ataxis, disartria, anorexia, enterite, estomatite, eritema, anemia, insuficiência hepática, insuficiência renal, cancro e morte, por exemplo.

O acima exposto é apenas uma lista parcial dos efeitos secundários hediondos da quimioterapia. Será de admirar que os doentes com cancro se recusem a participar nesta forma de tratamento do cancro?

Tendo em conta toda a informação anterior, é razoável concluir que qualquer alegação de melhoria nas taxas de sobrevivência ao cancro devido ao tratamento médico convencional pode ser atribuída ao facto de os doentes com cancro não estarem a seguir as ordens dos médicos.

ADENDA

As perspectivas de melhoria da sobrevivência ao cancro sob tratamento médico convencional não parecem mais brilhantes hoje do que no virar do século, ou quando a “Guerra ao Cancro” começou em 1971, apesar da propaganda médica e medicamentosa em sentido contrário.

Assim, a única melhoria em 14 anos desde que a “Guerra contra o Cancro” começou parece estar nas taxas de sobrevivência. Mas muitos cientistas e médicos de prestígio contestam isto. Aqui estão dois:

Revista Science
Revista Science

No New York Times de 18 de Setembro de 1984 e num artigo na edição de Setembro da revista Science, o doutor Hayden Bush, director de um centro regional de cancro em Ontário, Canadá, fez os seguintes comentários:

“Não há um verdadeiro avanço nos tratamentos do cancro. Se existisse, veríamos uma melhoria nas taxas de mortalidade. O que aconteceu é que agora há uma ênfase no diagnóstico precoce que inicia o “relógio de sobrevivência” mais cedo. Para que mesmo sem uma mudança real na duração da sobrevivência houvesse uma aparente melhoria nas taxas de sobrevivência, iniciando o relógio mais cedo devido ao diagnóstico precoce”.

O doutor John Baylor, um funcionário do Instituto Nacional do Cancro, bioestatístico e consultor do New England Journal of Medicine, afirmou no Today Show em Dezembro de 1984:

“Muitas das lesões precoces que não são de todo cancro estão a ser contadas como cancro através destes métodos de detecção precoce. Estas pessoas continuarão a levar uma vida normal de qualquer modo, as lesões serão eliminadas por elas próprias. Mas incluem estes casos como cancro, poluindo assim o conjunto de doentes com cancro real e fazendo parecer que as taxas de sobrevivência aumentaram.

Fonte: «The Untreated Live LongerBy FACT», Rethinking Cancer. 7 de Maio de 2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here