Albert Abrams e o tratamento radiónico

0
34
Albert Abrams
Albert Abrams

O doutor Albert Abrams nasceu em São Francisco a 8 de Dezembro de 1863. Filho de um comerciante bem-sucedido de São Francisco de quem, desde muito jovem, herdou uma fortuna considerável. Apesar da sua riqueza, ele decidiu dedicar a sua vida e a sua fortuna no avanço do conhecimento médico.

Em 1878, aos 15 anos, matriculou-se no Medical College of the Pacific e trabalhou como assistente do professor Douglass e do professor Hirschfelder. Abrams recebeu o diploma de médico a 30 de Outubro de 1881.

Tendo também dominado a língua alemã, matriculou-se na Universidade de Heidelberg e formado-se na mesma.

Hermann Ludwig Ferdinand von Helmholtz
Hermann Ludwig Ferdinand von Helmholtz

Em Heidelberg, o brilhantismo de Abrams atraiu a atenção e a amizade duradoura do seu professor, Hermann Ludwig Ferdinand von Helmholtz, um médico e físico alemão que fez contribuições significativas em vários campos científicos. Abrams mais tarde matriculou-se em cursos de pós-graduação em Londres, Berlim, Paris e Viena. Na verdade, ele foi um dos médicos melhor formados da sua época.

Ao regressar à sua cidade natal, São Francisco, Abrams foi nomeado professor de patologia e, mais tarde, diretor de estudos médicos na Universidade de Stanford, Califórnia. Abrams dedicou a maior parte do seu tempo, no entanto, à pesquisa associada ao sistema nervoso humano.

O doutor Abrams foi eleito vice-presidente da Sociedade Médica do Estado da Califórnia em 1889 e tornou-se presidente da Sociedade Médico-cirúrgica de São Francisco em 1893.

Na mudança do século, ele tornou-se um especialista respeitado em neurologia. Em 1904, foi nomeado presidente da policlínica Emanuel em São Francisco. Pouco é publicado sobre a sua vida pessoal posterior, embora seja relatado que ele foi casado por duas vezes.

O doutor Abrams publicou vários livros de 1891 a 1923 e faleceu em São Francisco a 13 de Janeiro de 1924, de broncopneumonia.

No início dos anos 1900, o doutor Abrams desenvolveu uma técnica de medicina física chamada espondiloterapia, ou reflexologia espinhal, que foi parcialmente inspirada por práticas de quiropraxia e osteopatia .

A espondiloterapia é baseada no papel da medula espinhal, envolvendo especialmente os mecanismos do sistema nervoso autónomo. Ele visualizou a medula espinhal como consistindo de 31 segmentos (8 cervicais, 12 torácicos, 5 lombares, 5 sacrais e 1 coccígea). Cada segmento e o seu nervo associado serve para inervar órgãos, glândulas e tecidos. Eles servem tanto como parte do sistema nervoso central de um arco reflexo simples como um ponto focal para o início remoto de processos fisiológicos sinérgicos, muitas vezes através de vias nervosas.

Devido a razões que estão na evolução embrionária dos humanos, todos os nervos que saem da coluna vertebral entre dois discos intervertebrais específicos, inervam uma fatia horizontal do corpo. Além disso, algumas áreas inervadas são dispostas na direção vertical.

A principal consequência dessa segmentação é que nervos diferentes indo ou vindo de áreas num mesmo segmento podem interagir na medula espinhal. Um impulso enviado por um órgão interno pode induzir um impulso conectado a uma parte específica da pele. Esse fenómeno agora é denominado por sistema reflexo cutâneo-visceral ou arco reflexo.

Através da estimulação dos nervos originados na medula espinhal, ações reflexas nas vísceras ou órgãos internos podem ser estimuladas. Abrams realizou estimulação reflexa com percussão controlada, com as mãos ou com um plexor / plexímetro aplicado aos processos espinhosos.

Ocasionalmente, a percussão era combinada com correntes elétricas sinusoidais e às vezes com a aplicação de gelo. O doutor Abrams publicou várias edições do seu livro Spondylotherapy entre 1910 e 1918.

Livro Spondylotherapy
Livro Spondylotherapy

Uma versão simplificada de Spondylotherapy foi publicada pela primeira vez pela médica Alva Emery Gregory em 1914. Esta técnica foi posteriormente traduzida para francês pelo doutor Regnault e publicada no seu livro Les méthodes d’Abrams. Técnicas de acupressão semelhantes são utilizadas à muito tempo na medicina tradicional chinesa, como Tuina.

O doutor Abrams começou a pesquisar a radiestesia e foi o primeiro a projetar vários instrumentos calibrados capazes de auxiliar na detecção das radiações de doenças do corpo. Ele baptizou esse diagnóstico de Reações Eletrônicas de Abrams (ERA) e criou vários dispositivos diferentes que foram utilizados ​​por médicos no início do século 20.

Isso elevou a radiestesia a um nível de alta tecnologia e energia sutil e criou a ciência hoje conhecida como radiónica. O conceito de radiestesia era conhecido pelos antigos egípcios, chineses e babilônios. A sua utilização é retratada nas suas obras de arte e hieróglifos. A radiestesia, embora tenha sido uma parte tradicional de muitas culturas é considerada pela maioria como uma quase ciência e ainda evoca considerável ceticismo.

O conceito básico de radiestesia é que há interação ou ressonância entre a mente do radiestesia e o objeto ou informação que está sendo procurada. Os praticantes referem-se a essa interação como a utilização de uma “espécie” de sexto sentido, ou percepção extrasensorial (PES). Também foi descrito como uma “espécie” de instinto. Alguns que praticam a radiestesia dizem que até 80% das pessoas têm a habilidade de ver, mas muitos não têm consciência disso.

Apesar do ceticismo, muitos objetos foram encontrados com o auxílio da radiestesia. As fontes subterrâneas para poços de água provavelmente são as mais conhecidas. No entanto, a lista é longa e inclui animais, plantas, minerais, objetos perdidos e até pessoas.

Os médicos especializados neste campo listam várias utilizações da radiestesia para saúde. Eles afirmam que, além de localizar áreas e causas de doenças, a radiestesia particularmente com pêndulos ou biotensores pode indicar o estado de saúde energética ou não física do corpo, bem como orientar na seleção de medicamentos adequados.

As ferramentas de radiestesia dependem da habilidade do operador como um estetoscópio. Um estetoscópio deve ser utilizado adequadamente para ser uma ferramenta diagnóstica eficaz e este também é o caso de varinhas rabdomantes, varetas biotensoras, pêndulos e equipamentos radiónicos. Todas essas são ferramentas de diagnóstico subjetivas, que dependem da habilidade do utilizador. Alguns indivíduos são adeptos da utilização de dispositivos de radiestesia para detectar condições anormais de saúde. Considerando que, outros não são.

O nome radiónica é um pouco enganoso, pois esta forma de diagnóstico e terapia não tem nada a ver com rádio ou ondas de rádio, nem tem nada a ver com eletrónica. Aplicada à medicina, a radónica é uma arte pela qual os dados diagnósticos são obtidos através de equipamentos que permitem a um operador formado detectar e medir as radiações diferenciais dos diferentes órgãos e tecidos do corpo. Outras utilizações do equipamento radiónico incluem a detecção e determinação da localização da doença no corpo, medição da amplitude de vários tipos de patologia, condições de saúde do tecido e localização e medição de quaisquer microrganismos estranhos e outros fatores irritantes que contribuem para a doença.

A análise radiónica não é uma análise médica em sentido estrito, pois avalia o corpo-energia do paciente. Ao identificar desequilíbrios de energia e padrões de doença no nível pré-físico, a radiónica pode reconhecer as causas subjacentes que mais tarde se manifestam como condições físicas. O equipamento de detecção radiónica também tem sido utilizado para determinar se um medicamento (como uma vitamina, mineral, substância homeopática ou concentrado nutricional) é útil para um determinado órgão, sistema ou função do corpo. Mais tarde, instrumentos radiónicos foram desenvolvidos para o tratamento e até mesmo para “transmitir” informações ou formas sutis de energia para tratamento à distância.

No cerne da teoria e prática radiónica está o conceito de que os humanos, em conjunto com todas as outras formas de vida, estão submersos no campo de energia eletromagnética da Terra, cada forma de vida tem o seu próprio campo eletromagnético ou frequências de assinatura. Se essas frequências se distorcerem, então a doença vai desenvolver-se. Consequentemente, os praticantes de radiónica vêm os órgãos, doenças e medicamentos como possuindo a sua própria frequência ou taxa vibracional. Essa ideia agora é central para a física quântica moderna, mas no início dos anos 1900 era considerada bastante radical.

O doutor Abrams era apaixonado pelo projeto de instrumentação radiónica que simplificaria e aumentaria a precisão das ferramentas de radiestesia tradicionais. Ele ensinou radiónica e publicou vários artigos e livros. O primeiro livro dedicado exclusivamente ao desenvolvimento da ERA foi o Dr. Abrams: New Concepts in Diagnosis and Treatment, publicado por volta de 1916. Este livro seguiu de perto as edições de Spondylotherapy referindo-se à ERA, no livro Novos conceitos em diagnóstico e tratamento.

Livro New Concepts in Diagnosis and Treatment de Albert Abrahms
Livro New Concepts in Diagnosis and Treatment de Albert Abrahms

Uma década de experiência levou o doutor Abrams a duas hipóteses básicas:

  1. Toda matéria irradia e as características das radiações de qualquer tipo de matéria dependem dos constituintes moleculares do material envolvido. (Cada elemento ou composto tem uma radiação diferente da radiação emitida por qualquer outro elemento ou composto);
  2. As radiações emitidas por diferentes tipos de matéria (e pelos diferentes órgãos de um organismo vivo) podem ser detectadas, diferenciadas seletivamente e as amplitudes radiativas medidas por um operador formado utilizando equipamento relativamente simples.

Esses fatores podem ser expressos em valores numéricos que são conhecidos na radiónica como “taxas”, e os instrumentos radiónicos são fornecidos com mostradores calibrados nos quais essas “taxas” são definidas para fins de análise e tratamento.

Os praticantes radiónicos, ao efectuarem as suas análises, utilizam o princípio de “rabdomancia”, aplicando a sua percepção extrasensorial (PES) ao problema de detecção de doenças, da mesma forma que o rabdomante detecta a localização de depósitos de água, óleo ou minerais.

A forma de PES utilizada em radiónica é frequentemente referida como “a faculdade de radiestesia”, através da qual o praticante, através de uma série de perguntas colocadas mentalmente, obtém informações sobre a saúde da pessoa em análise, às quais a mente consciente não tem acesso direto.

O doutor Abrams organizou a American Electronic Research Association e procurou principalmente médicos osteopatas para tornarem-se os seus praticantes treinados. As descobertas de Abrams, sendo demonstráveis, mostraram-se completamente convincentes para um grande número de médicos que não apenas as testemunharam, mas estavam, em muitos casos, eles próprios a efectuar utilização diária dos dispositivos para o benefício dos seus próprios pacientes.

No início do desenvolvimento da radiónica, o doutor Abrams tinha um procedimento muito detalhado para o diagnóstico físico, com uma ampla utilização de percussão e palpação. Ele enfatizou particularmente a percussão e encontrou correlações entre sons percussivos anormais eliciados de áreas específicas do abdômen e partes patológicas do corpo. Noutras palavras, ele compreendeu que existiam conexões reflexas entre órgãos específicos e áreas do abdômen e os sons produzidos pelos seus testes de percussão eram diferentes se certas doenças como sífilis, gonorreia ou tuberculose estivessem presentes.

Doutor Abrahms demonstrando diagnóstico radiônico - teste de percussão abdominal
Doutor Abrahms demonstrando diagnóstico radiônico – teste de percussão abdominal

Os testes de percussão deveriam ser realizados com o paciente em pé, voltado para uma determinada direção, com o abdome à mostra. O procedimento de exame físico do doutor Abrams foi longo e rigoroso, para tornar mais fácil para os pacientes que estavam muito doentes para ficar de pé durante o período de tempo necessário, fios foram conectados de uma faixa de metal na testa do paciente a uma faixa semelhante na testa de uma pessoa saudável e de uma placa de metal a tocar os pés do paciente a uma segunda placa de metal sobre a qual a pessoa saudável ficava descalça. Isso permitiu ao doutor Abrams realizar os seus testes no corpo da pessoa saudável enquanto o paciente doente estava sentado numa cadeira ou reclinado confortavelmente num sofá. Esta técnica de utilizar uma pessoa de teste saudável em ressonância com o paciente é comumente utilizada por Kinesiologistas Aplicados actualemente.

Na sua procura por métodos para aguçar e amplificar os sons percussivos e assim tornar-se um diagnóstico mais claro, o doutor Abrams experimentou a inserção de “reostatos” num dos fios que ligam o paciente a uma pessoa saudável. Um reostato era um dispositivo utilizado para controlar a quantidade de corrente que fluía em circuitos elétricos e consistia numa bobine de fio de resistência enrolada em torno de um tubo ou estrutura dobrada ou formada numa curva. Isso geralmente abrange a maior parte de um círculo. Uma extremidade do fio de resistência constituía um dos contactos do reostato. O outro contacto era conectado a um controlo deslizante que podia ser girado através de um eixo e um botão. O braço da corrediça contactou com a bobina do fio de resistência de tal forma que girando o botão, o número de voltas do fio de resistência no circuito poderia ser aumentado ou diminuído, dependendo do sentido de rotação do botão e do eixo. Este projeto foi logo substituído por um dispositivo de medição mais estável.

Alguns fabricantes de instrumentos continuaram a utilizar reostatos para fins de medição de volume, enquanto outros os substituíram por chaves selectoras às quais uma série de resistências fixas foram conectadas.

Conforme a prática radiónica do doutor Abrams crescia, ele tinha um número cada vez maior de pacientes ansiosos para serem diagnosticados por ele, mas que não podiam visitar o seu consultório (ou porque estavam muito doentes para viajar ou porque moravam muito longe). Num esforço para prestar serviço a esses indivíduos, o doutor Abrams fez experiências com amostras de sangue e descobriu que o sangue carrega todas as radiações do corpo e portanto, poderia ser utilizado como um substituto para a presença real do paciente na sua sala de exames. Essas amostras de sangue foram colocadas num copo de metal (que o doutor Abrams chamou de “dinamizador”), que aqueceu a amostra com elétrodos e foi conectada ao indivíduo saudável. Este foi então conectado a um “reflexofone” e em seguida, conectado à “testemunha”. Um assistente sintonizava os discos do reflexofone enquanto o médico percutia o abdômen da “testemunha”, e as reações seriam registradas como configurações nos mostradores (chamadas de “taxas”). A amostra de sangue era uma “testemunha holográfica” do paciente. Basicamente, um “link de energia” para o paciente é necessário e pode ser chamado de “testemunha radiónica”. Hoje em dia, muitos praticantes de radiônica utilizam fotografias, amostras de cabelo e manchas de sangue como “testemunhas”.

Com o sangue na taça de metal conectado à pessoa saudável, os testes de diagnóstico realizados produziram as mesmas afinações e medições que aquelas prevalecentes quando o paciente (de quem o sangue foi retirado) estava pessoalmente presente e conectado com os controlos de afinação.

Os avanços da física do século 20 estão a ajudar-nos a compreender uma realidade do universo que é muito mais próxima da maneira como um praticante de radiónica pode ver as coisas.

A física eletromagnética provou que todos os electrons, protons e outras partículas subatômicas existem num estado de movimento contínuo e com uma energia incrível no nível atômico. Embora todas as partículas sejam universais e uniformes, os electrons num pêssego são iguais aos electrons numa cenoura, os padrões em que essas partículas subatómicas movem-se e os comprimentos de onda em que ressoam ditam quais formas físicas tangíveis manifestam-se no “mundo real”. Para dar um passo adiante, os átomos são compostos de partículas ainda menores, ou seja, protons, neutrons, eletrons, quarks, gluons e muitos outros orbitando uns aos outros com tal velocidade que aparecem como sólidos, embora sejam compostos principalmente de espaço vazio.

Essas partículas subatômicas são os blocos de construção dos átomos. O número e a disposição das partículas subatómicas nos átomos determinam se um átomo assume uma forma ou outra no nosso “reino” físico. Para os praticantes de radiónica, tudo gira em torno de frequências e comprimentos de onda.

Os físicos também estão cientes e em certa medida, estão a começar a compreender a questão da consciência e como a consciência afecta não apenas a realidade, mas até mesmo as experiências científicas e a sua observação e medição. Pode-se dizer que a medicina está algumas centenas de anos atrás da física e ainda opera em grande parte a partir de uma visão newtoniana ou reducionista do universo. Uma visão mecânica, física e bioquímica da realidade e da doença. Mas a radiestesia e a radiónica estão muito alinhadas com a física quântica e podem reunir informações sobre energias sutis para curar tanto o corpo energético como o físico.

David Bohm
David Bohm

O doutor David Bohm, físico e autor de Wholeness and the Implicate Order, via a teoria quântica como um indicador de uma nova ordem, uma existência na qual todas as coisas estão conectadas numa “ordem implícita” não manifestada, por todo o campo. Isso explica o conceito do universo como um campo unificado. A radiónica à distância funciona porque o campo do médico pode entrar em contato com o campo do paciente para obter uma análise. O médico, tendo em mente a sua própria pergunta, deve utilizar alguns meios para determinar quando o estado de ressonância foi alcançado, isto é, o padrão do campo de energia do paciente foi identificado e traduzido numa taxa, resposta ou conjunto de números que o médico então correlaciona com uma condição de doença.

A utilização de amostras de sangue ampliou a utilidade do método ERA, mas também introduziu vários desafios. Um dos principais problemas era o da contaminação. O método radiónico é extremamente sensível a ponto de poder ocorrer contaminação se alguém que não seja o paciente manusear o pedaço de papel no qual a amostra de sangue do paciente foi colocada. As informações dessa pessoa podem misturar-se com a amostra do paciente.

O resultado seria que o médico provavelmente detectaria as informações combinadas dos dois indivíduos. Isso levou à detecção e notificação de doenças ou condições não presentes no paciente. Uma vez descoberto, precauções especiais foram criadas para a preparação de amostras de sangue, para mantê-las livres de contaminação.

A utilização de amostras de sangue também abriu a porta para vários tipos de truques. Por exemplo, amostras de sangue de animais como galos foram enviadas como amostras de sangue humano. Quando os relatórios voltaram listando as várias doenças encontradas, o método foi ridicularizado. É claro que os animais estão sujeitos a muitas das mesmas doenças tóxicas e infecciosas que os humanos. Os relatos de informações sobre doenças encontradas nos espécimes animais não invalidam o método, mas geram muitas críticas por parte de quem não aceita o que não entende.

Como o método de percussão para eliciar sons ou respostas requeria um tempo considerável e um alto grau de habilidade e paciência, a técnica tornou-se difícil de executar e difícil de ensinar. O doutor Abrams acabou por abandonar o método de percussão e substituiu-o por um método de esfregar ou acariciar o abdomen de um individuo saudável com uma haste de vidro. A utilização da vareta de vidro, embora ainda não seja fácil de aprender, requer menos tempo e esforço. A facilidade com que escorregou pela superfície abdominal foi notada. Quando a haste parecia “colar-se” numa área, em conjunto com afinações ou taxas específicas, isso indicava que certas condições de desequilíbrio estavam presentes.

Após a morte do doutor Abrams, os detectores radiónicos continuaram a avançar em design. O problema com a técnica ERA do doutor Abrams residia no facto de que muitos pacientes não obedeciam. Exigia ficar em pé por longos períodos com o abdomen descoberto, enquanto submetia-se ao procedimento de percussão ou acariciando a pele abdominal repetidamente com hastes de vidro ou plástico.

O doutor Earl Smith, um dos alunos do doutor Abrams, desenvolveu uma técnica de passar as pontas dos dedos sobre placas de vidro para criar um efeito de “pau”. As informações do paciente (sangue) permaneceram dentro do recipiente da amostra e essas informações foram conduzidas para a placa de vidro através de um fio de conexão. Esse vidro teve que ser coberto com um certo tipo de revestimento para criar o efeito de “pau”. O conjunto da placa de fricção era visivelmente menos difícil de aprender e utilizar e tornou-se um recurso integral do equipamento radiónico. Muito mais tarde, George De La Warr criou um detector com uma placa adesiva coberto com uma borracha especial.

Karl Franz Nagelschmidt
Karl Franz Nagelschmidt

O próximo desenvolvimento do doutor Abrams foi um equipamento para o tratamento de doenças chamadas Osciloclastos e Autoclastos. Essas máquinas emitiam uma banda de ondas curtas, mas diferiam da diatermia de ondas curtas em muitos aspectos. Primeiro, a diatermia de ondas curtas utiliza eletricidade de alta frequência que aquece os tecidos do corpo. Por volta de 1891, Nikola Tesla foi o primeiro a sugerir a utilização de correntes de alta frequência para produzir calor no corpo como terapia. Em 1908, o médico alemão Karl Franz Nagelschmidt cunhou o termo diatermia e realizou os primeiros testes em seres humanos. O doutor Nagelschmidt é considerado o fundador da área. O equipamento de tratamento Abrams propositalmente evitou aquecer os tecidos, pois foi mais projetado como uma terapia de frequência. Em segundo lugar, a diatermia de ondas curtas opera em apenas uma frequência. O equipamento Abrams permitia a escolha de onze frequências diferentes. Por último, a corrente de diatermia de ondas curtas não é interrompida. Em contraste, o equipamento Abrams utilizava uma corrente interrompida ou pulsada para atingir os efeitos desejados da terapia de frequência.

O oscilloclasto de ondas curtas também utilizou ondas de rádio geradas por circuitos de tubo de vácuo, sintonizados na banda de ondas curtas de 75-80 metros. Os osciloclastos pulsam a sua saída em aproximadamente um ou dois pulsos por segundo através de um circuito interruptor mecânico. Abrams acreditava que, ao aplicar as frequências adequadas ao paciente, os patógenos causadores de doenças seriam “partidos”, daí o nome oscilo- (vibrar) -clast (quebra).

Algumas dessas onze frequências foram designadas para o tratamento de doenças específicas ou grupos de doenças, como resultado de correlações encontradas entre emanações de doenças e frequências de rádio de ondas curtas na pesquisa de detecção. As outras frequências de tratamento foram para a estimulação funcional dos principais órgãos, como fígado, pulmões, rim, coração e baço. Novamente, a radiónica vê órgãos, doenças e medicamentos como tendo a sua própria frequência ou vibração única. Esses factores podem ser expressos em valores numéricos que são conhecidos na radiónica como “taxas” e os instrumentos radiónicos são fornecidos com mostradores calibrados nos quais essas “taxas” são definidas para fins de análise e tratamento.

É bem sabido que os diapasões musicais reagem espontaneamente quando expostos a frequências idênticas. Da mesma forma, capacitores de sintonia de placas paralelas em instrumentos radiónicos analógicos servem como diapasões de alta resolução ajustáveis ​​que ressoam fisicamente quando sintonizados nas frequências que definem as aparências das partículas que constituem o mundo físico. Além disso, assim como os diapasões, os instrumentos radiónicos analógicos não requerem energia eléctrica para atingir um estado de ressonância detectável pelo operador treinado, a energia é inerente ao modo de vibração encontrado em cada átomo.

Este estado natural de ressonância torna os componentes (incluindo os capacitores) do instrumento radiônico ideais não apenas para definir taxas conhecidas, mas também para detectar e documentar novos padrões de ressonância descobertos através de uma varredura ou pesquisa aberta. O propósito do capacitor radiónico é construir e manter uma carga que inclui os sinais energéticos fracos que são automaticamente amplificados para facilitar a detecção pelo pesquisador radiónico.

É importante observar que as taxas radiónicas não são frequências absolutas como aquelas utilizadas por uma estação de rádio de transmissão, onde as configurações são declaradas em ciclos por segundo (hertz). Por exemplo, definir o seu rádio para “750” no dial AM significa que o sintonizador foi definido para 750 mil hertz.

100 anos após o doutor Abrams ter descoberto a radiónica, milhares e milhares de taxas foram desenvolvidas. Muitos desses padrões de informação foram identificados por inventores brilhantes dos instrumentos radiónicos. George De La Warr, Galen Hieronymus, Malcolm Rae, David Tansley, Peter Kelly, Ruth Drown e outros.

Durante mais de vinte anos, o equipamento de tratamento de Abrams utilizou meios mecânicos de interrupção da saída de corrente, denominado aparelho “tic toc”, devido à sua semelhança com o pêndulo de um relógio. O processo cíclico de iniciar e parar o circuito foi projetado para aumentar frequências terapêuticas específicas, mas também criou faíscas periódicas. A faísca em si também foi pensada para conferir valor terapêutico, como mais tarde demonstrado nos osciladores de múltiplas ondas Lakhovsky.

Osciladores de múltiplas ondas Lakhovsky
Osciladores de múltiplas ondas Lakhovsky

Em 1921, 3500 médicos afirmaram que utilizavam a tecnologia ERA. As organizações médicas convencionais e os médicos tornaram-se extremamente desconfiados e críticos da radiónica. Não demorou muito para que uma disputa intensa eclodisse entre o doutor Abrams e os seus seguidores e a Associação Médica Americana.

Os defensores do doutor Abrams e da radiónica incluíram notáveis ​​como o autor americano Upton Sinclair e Sir Arthur Conan Doyle.

O doutor Abrams, que já foi altamente elogiado e homenageado como professor de medicina na Universidade de Stanford, tornou-se um “pária” da profissão médica ortodoxa. Infelizmente, muitos dos seus seguidores que eram médicos licenciados também foram perseguidos. Numerosos relatos da imprensa pagos pelas forças da oposição condenaram a radiónica como charlatanismo e até se referiram a ela como “O Culto de Abrams”.

O doutor Abrams deixou dinheiro no seu testamento para estabelecer o College of Electronic Medicine em São Francisco para continuar o seu trabalho. Posteriormente, a faculdade mudou o seu nome para Electronic Medical Foundation (EMF).

Federação Nacional de Saúde
Federação Nacional de Saúde

Em 1961, a Food and Druga Administration (FDA) moveu uma ação criminal de desacato contra a EMF e contra o seu presidente, Fred J. Hart. As acusações não foram contestadas e a organização foi dissolvida. Os remanescentes da organização sobrevivem como Federação Nacional de Saúde.

Fundada em 1955, a Federação Nacional de Saúde é a organização pela liberdade da saúde mais antiga do planeta, a única organização que trabalha para proteger os direitos dos indivíduos de optar por consumir alimentos saudáveis, tomar suplementos e utilizar terapias alternativas sem restrições governamentais.

O método ERA foi substituído por outras inovações radiónicas após a dissolução da Electronic Medical Foundation.

Fonte: biologicalmedicineinstitute.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here