85 personalidades são tão ricas como a metade mais pobre do mundo

0
19
Riqueza e pobreza
Riqueza e pobreza

As pessoas mais ricas do mundo não são conhecidas por viajarem de autocarro, mas se imaginassem uma mudança de cenário, então as 85 pessoas mais ricas do globo, que entre elas controlam tanta riqueza como a metade mais pobre da população global junta, poderiam juntar-se todos num autocarro de dois andares.

A medida em que tanta riqueza global foi encurralada por uma quantidade virtual da chamada “elite global” é exposta num novo relatório da Oxfam. O relatório advertia que as 85 pessoas mais ricas de todo o mundo partilham uma riqueza combinada, tanto como os 3,5 mil milhões mais pobres da população mundial.

Os ricos ficam mais ricos
Os ricos ficam mais ricos

A riqueza das pessoas 1% mais ricas do mundo ascende a 65 vezes mais do que a metade mais pobre do mundo, acrescentou a caridade para o desenvolvimento, que teme que esta concentração de recursos económicos esteja a ameaçar a estabilidade política e a aumentar as tensões sociais.

É uma recordação arrepiante das profundezas da desigualdade de riqueza enquanto líderes políticos e empresários de topo se dirigiram para os picos nevados de Davos para o Fórum Económico Mundial. Poucos, se é que algum, chegarão em algo tão comum como um autocarro, com jactos privados e helicópteros ao serviço, uma vez que muitas das pessoas mais poderosas do mundo reúnem-se para discutir o estado da economia global durante quatro dias agitados de reuniões, seminários e festas na estância de esqui exclusiva.

Winnie Byanyima, o director executivo da Oxfam que participou nas reuniões de Davos, afirmou: “É espantoso que no século 21, metade da população mundial, isto é, três mil milhões e meio de pessoas, não tenha mais do que uma pequena elite cujo número poderia caber confortavelmente num autocarro de dois andares”.

A Oxfam argumenta também que isto também não é por acaso, dizendo que a crescente desigualdade tem sido impulsionada por uma “tomada de poder” por elites ricas, que cooperam o processo político para “rigificar” as regras do sistema económico a seu favor.

Oxfam
Oxfam

No relatório, intitulado Working For The Few, a Oxfam advertiu que a luta contra a pobreza não pode ser ganha enquanto a desigualdade de riqueza não tiver sido combatida.

“O aumento da desigualdade está a criar um círculo vicioso onde a riqueza e o poder estão cada vez mais concentrados nas mãos de poucos, deixando o resto de nós a lutar por migalhas em cima da mesa”, disse Byanyima.

A Oxfam apelou aos participantes no Fórum Económico Mundial para assumirem um compromisso pessoal de enfrentar o problema, abstendo-se de fugir aos impostos ou de utilizar a sua riqueza para procurar favores políticos.

Para além de ser moralmente duvidosa, a desigualdade económica pode também exacerbar outros problemas sociais, tais como a desigualdade de género, advertiu a Oxfam. Davos também está a lutar nesta área, com o número de delegadas femininas a descer de 17% em 2013 para 15%.

Como os mais ricos utilizam a sua riqueza para capturar oportunidades

As sondagens para o relatório da Oxfam encontraram pessoas em países de todo o mundo, incluindo dois terços dos inquiridos na Grã-Bretanha, que acreditam que os ricos têm demasiada influência sobre a direcção que o seu país está a tomar.

Byanyima explicou:

“Tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, vivemos cada vez mais num mundo onde as taxas de impostos mais baixas, a melhor saúde e educação e a oportunidade de influenciar são dadas não só aos ricos mas também aos seus filhos.

“Sem um esforço concertado para combater a desigualdade, a cascata do privilégio e da desvantagem continuará ao longo das gerações. Em breve viveremos num mundo onde a igualdade de oportunidades é apenas um sonho. Em demasiados países, o crescimento económico já é pouco mais do que um “winner takes all” para os mais ricos”.

Percentagem de riqueza nacional para os ricos
Percentagem de riqueza nacional para os ricos

O relatório da Oxfam concluiu que nas últimas décadas, os ricos têm exercido com sucesso influência política para distorcer as políticas a seu favor em questões que vão desde a desregulamentação financeira, paraísos fiscais, práticas comerciais anticoncorrenciais até à redução das taxas de imposto sobre os rendimentos elevados e cortes nos serviços públicos para a maioria. Desde finais dos anos 70, as taxas de impostos para os mais ricos baixaram em 29 dos 30 países para os quais existem dados disponíveis, afirma o relatório.

Esta “captura de oportunidades” pelos ricos à custa das classes pobres e médias levou a uma situação em que 70% da população mundial vive em países onde a desigualdade aumentou desde os anos 80 e 1% das famílias possuem 46% da riqueza global.

Pesquisas de opinião em Espanha, Brasil, Índia, África do Sul, Estados Unidos da América, Reino Unido e Holanda descobriram que uma maioria em cada país acredita que as pessoas ricas exercem demasiada influência. A preocupação era mais forte em Espanha, seguida do Brasil e da Índia e menos marcada nos Países Baixos.

No Reino Unido, cerca de 67% concordaram que “os ricos têm demasiada influência sobre para onde este país se dirige”, 37% afirmaram que concordaram “fortemente” com a afirmação, contra apenas 10% que discordaram, 2% deles fortemente.

Forum Económico Mundial
Forum Económico Mundial

O próprio relatório Global Risks do Forum Económico Mundial (WEF) identificou recentemente o aumento das disparidades de rendimento como uma das maiores ameaças à comunidade mundial.

A Oxfam apelou para se comprometerem: a apoiar a tributação progressiva e a não fugir aos seus próprios impostos; a absterem-se de utilizar a sua riqueza para procurar favores políticos que minam a vontade democrática dos seus concidadãos; a tornarem públicos todos os investimentos em empresas e fundos dos quais são os seus últimos proprietários benéficos; a desafiarem os governos a utilizarem as receitas fiscais para proporcionar cuidados de saúde universais, educação e protecção social; a exigirem um salário vivo em todas as empresas que possuem ou controlam; e a desafiarem outros membros da elite económica a juntarem-se a eles nestas promessas.

Fonte: theguardian.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here