Movimento Occupy: Objectivos, Métodos e Estrutura

0
599
Movimento Occupy
Movimento Occupy

Objectivos:

Inicialmente, os jornalistas como Shannon Bond afirmavam ao Financial Times que seria difícil tentar descortinar um objectivo unificado para o movimento, apesar de depois de Outubro a Adbusters tentar “reuni-lo em torno de uma demanda, única e clara”: um imposto “Robin dos Bosques“, com uma marcha global de apoio ao imposto prevista para 29 de Outubro. Naomi Wolf argumentou que a impressão criada por grande parte dos meios de comunicação social de que os manifestantes não faziam exigências claras é falsa. Wolf alega que eles têm reivindicações claras, incluindo um desejo de acabar com o que veêm ser o efeito corruptor do dinheiro na política. A revista New Yorker afirma que as reivindicações de Lasn e de White eram específicas: apertar a regulamentação no sector bancário, proibir o comércio de alta frequência, prender todos os “autores de fraudes financeiras” responsáveis pela queda de 2008, e formar uma comissão presidencial para investigar a corrupção na política. Segundo a Bloomberg Businessweek, os manifestantes querem mais e melhores empregos, mais igualdade na distribuição dos rendimentos, reformas bancárias e uma redução da influência das corporações sobre os políticos.

No final de Novembro, o contingente de Londres do Movimento Occupy lançou o seu primeiro comunicado sobre Corporações, apelidado de “Medidas para acabar com a evasão fiscal por parte das empresas ricas”. Como razão para o atraso na articulação de uma exigência clara, invocou-se o tempo que leva para  se chegar a um consenso com os, por vezes, lentos processos da democracia participativa. Ainda estão em curso esforços para se chegar a um consenso com outros grupos Ocuppy de todo o mundo, para se definir um comunicado mundial.

Um artigo publicado em Novembro no Financial Times afirmou que a inexistência de objectivos unificados até à data, está a impedir o movimento de obter influência sobre os meios políticos, com os acontecimentos recentes em 2011 na cimeira de Cannes dos G-20 a sugerir que os bancos conseguirão prevenir a implementação de um imposto ao estilo “Robin dos Bosques” sobre transações.

O director da Coligação dos Direitos Humanos (Austrália) acredita que o Movimento Occupy deve ter um simples e ético objectivo que possa alcançar o apoio das massas ou então irá falhar. Nomeadamente a introdução da democracia directa estilo suíço (referendos iniciados por cidadãos) para garantir que os governos sejam mais democraticamente responsáveis. Ele acredita que o mundo não precisa do socialismo ou do fascismo, mas sim de mais democracia para neutralizar a irresponsabilidade fiscal.

Métodos:

Os ativistas têm utilizado tecnologias na Web e meios de comunicação sociais como o IRC, Facebook, Twitter e Meetup para coordenar os eventos.  A Indymedia tem ajudado o movimento com as comunicações, afirmando que foram efectuadas chamadas de conferência no Skype com participantes a partir de 80 locais diferentes. Transmissões interactivas de eventos ao vivo efectuadas por jornalistas independentes, tais como Tim Pool têm sido utilizadas para aumentar a corrente principal da cobertura da imprensa. O fornecedor progressivo May First/People Link ofereceu alojamento de sites, e-mails e listas de e-mails, sem custos e de forma segura a dezenas de membros e grupos, inclusive no Irão e na Alemanha.

Houve um grande debate sobre a falta tanto de líderes como de reivindicações no movimento. Em 7 de Outubro, Kalle Lasn da Adbusters afirmou que nos estágios iniciais, as reivindicações e os líderes eram a “parte misteriosa” que permitiu ao movimento crescer , mas que acreditava que nas próximas semanas iriam começar a sair reivindicações claras das assembleias gerais que o movimento mantém diariamente. Então, num comentário de 17 de Outubro, a Adbusters afirmou: “Em todo o mundo os 99% estão a marchar! Vocês têm inspirado mais do que imaginam. As pessoas estão a construir o primeiro acto da longa Primavera”, e chegou a sugerir: “Agora é tempo de acabar com brincadeiras de desvio, performances subversivas e desvios brincalhões de todos os tipos”.

Na verdade, o movimento foi ainda mais longe ao criar, produzir e distribuir uma cultura de arte multimédia que está a ser recolhida e arquivada por instituições como o Museu Nacional de História Americana e o New York Historical Society. O objetivo de grande parte da arte produzida é ter impacto visual na corrente principal através de imagens para criar solidariedade e unidade entre os 99%.

O Fundo Comunitário Legal de Defesa Ambiental lançou um modelo de projeto de lei comunitário de direitos para os organizadores Occupy adoptarem localmente, pressionando leis que retiram os direitos de pessoalidade das corporações e elevam os direitos dos cidadãos.

Em Dezembro, Occupy Homes embarcou num movimento para ajudar ex-proprietários de casas que as perderam ou estão em vias de as perder, sendo encerradas, devido ao que eles chamam de práticas ilegais usadas por bancos que se aproveitaram dos consumidores. O grupo pretende ocupar casas hipotecadas, interromper leilões de bancos, e bloquear despejos.

 Estrutura:

O movimento tem sido descrito como tendo um “empenho predominante” na democracia participativa. Muito do processo democrático do movimento ocorre em “grupos de trabalho”, onde qualquer manifestante tem a possibilidade de ter uma palavra a dizer. Decisões importantes são muitas vezes feitas em assembleias gerais, que podem elas próprias ser informadas pelas descobertas de vários grupos de trabalho. Assembleias gerais ocorrem na sua generalidade, nos locais Occupy, todas as noites às 19 horas. As decisões são feitas usando o modelo consensual de democracia directa. Isto muitas vezes caracteriza o uso de sinais de mão para aumentar a participação e operar com facilitadores da discussão, em vez de líderes – um sistema que pode teve origem, em parte, no movimento Quaker há vários séculos, na democracia participativa da antiga Atenas, e nos concílios dos movimentos anti-globalização de 1999. Nas assembleias, são feitas propostas de grupos de trabalho aos participantes da reunião, que comentam sobre elas usando um processo chamado de “uma pilha”: uma fila de oradores onde qualquer pessoa pode participar. Em Nova York, Wall Street usa-se o que é chamado de uma pilha progressiva, em que pessoas de grupos marginalizados às vezes são autorizados a falar antes das pessoas dos grupos dominantes, com facilitadores, ou vigia da pilha, pedindo altifalantes para “passar à frente, ou recuar” com base em qual grupo pertencem, o que significa que mulheres e minorias conseguem ir para a frente da linha, enquanto os homens brancos, muitas vezes devem aguardar a sua vez de falar. O conceito de pilha progressiva tem sido criticado por algumas pessoas de fora do movimento, como “igualdade forçada” e “injusta”.

Índice do Movimento Occupy: https://paradigmas.online/?p=417

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here