Defensores da WikiLeaks vingam-se com operação de ciberguerra – Ataque deita abaixo site da MasterCard

0
659
Wikileaks
Wikileaks

A ciberguerra está aí: enquanto uma série de empresas vão anunciando o corte de serviços à WikiLeaks, um grupo de piratas informáticos leva a cabo a “Operação Vingança” contra essas empresas, deitando abaixo os seus sites.

Até agora, a maior vítima da acção concertada do que parece ser um grande grupo de hackers activistas foi a MasterCard, que teve ontem o site em baixo devido à acção dos apoiantes da WikiLeaks. A empresa reconheceu que o seu site não estava funcional, mas garantiu que o processamento de pagamentos não foi afectado.

Outro alvo da “Operação Vingança” foi o site de pagamentos online PayPal, que ficou com o blogue inactivado mas com o site a funcionar. Um responsável da empresa provocou polémica ao explicar, numa conferência sobre tecnologia em Paris, porque é que a PayPal suspendeu a conta da WikiLeaks.

“O Departamento de Estado, basicamente o Governo norte-americano, escreveu uma carta dizendo que as actividades da WikiLeaks eram consideradas ilegais”, afirmou o vice-presidente para as plataformas e tecnologias emergentes, Osama Bieder. “Em resultado disso, o nosso grupo teve de tomar a decisão de suspender a conta”, justificou, invocando ainda a necessidade de “protecção da marca”.

O gesto é controverso, porque a WikiLeaks não foi acusada de qualquer crime – só Julian Assange, o seu fundador, está detido por acusações de ofensas sexuais (coerção sexual) a duas mulheres na Suécia. Assange está actualmente detido em Londres.

Entre os alvos dos hackers activistas estavam, aliás, o site do Ministério Público sueco e o site do advogado das duas mulheres. Também sites de críticos de Assange, como o senador norte-americano Joe Lieberman ou Sarah Palin, foram atacados.

A solidariedade cibernética passou assim da proliferação de sites-espelho que permitem a continuação da divulgação dos cerca de 250 mil telegramas diplomáticos confidenciais dos EUA no chamado Cablegate – há actualmente mais de 335 sites-espelho – para ataques às empresas que cortaram serviços à WikiLeaks.

O site “está ainda em linha” e não vai ser derrotado nem por uma acção judicial, nem pela Censura das empresas”, assegurou um porta-voz da WikiLeaks, o jornalista islandês Kristinn Hrafnsson, num comunicado.

Um grupo de 1500 hackers

O grupo de activistas chamado Anonymous – que não tem líder e funciona com sugestões de quem quer que esteja online no momento, explica a revista Economist – argumenta que as acções contra o site são um precedente perigoso para a liberdade de expressão na Web e ameaçam todos os que tomarem acções contra a WikiLeaks na chamada “Operação Vingança“.

O analista de software da empresa finlandesa F-Secure, Mikko Hyponnen, disse à Reuters que o ataque ao site da Mastercard terá sido obra “no mínimo de centenas de pessoas, pode chegar a milhares”. O activista Gregg Housh, que pertence ao grupo Anonynous, disse ao New York Times que havia 1500 activistas envolvidos nos ataques.

Entre as empresas que cortaram o serviço à WikiLeaks e que poderão agora estar na mira deste grupo estão a Amazon, Visa e a SwissPost Finance. Até o Twitter foi ameaçado – o site de microblogging é acusado de “censurar” a visibilidade das discussões sobre a WikiLeaks, impedindo a palavra de aparecer nas palavras-chave mais discutidas. A empresa nega.

Já no Facebook, a popularidade da WikiLeaks é enorme – a página oficial está em quarto lugar no top da rede social com quase um milhão de fãs e há várias páginas não oficiais. Segundo o diário norte-americano Christian Science Monitor, há apenas uma página anti-WikiLeaks no Facebook com 851 fãs.

Do lado dos defensores da WikiLeaks houve ainda outro protesto: a sociedade islandesa DataCell, uma empresa de serviços informáticos que funciona há cerca de dois meses como “canal” de pagamentos à WikiLeaks, anunciou que vai processar a Visa por bloquear as doações à organização de Assange. “A DataCell, que facilita pagamentos à WikiLeaks, decidiu tomar medidas legais imediatas para voltar a tornar possíveis as doações.”

Fonte: Jornal Público

Artigo Original: http://www.publico.pt/Mundo/defensores-da-wikileaks-vingamse-com-operacao-de-ciberguerra_1470149

Índice do WikiLeaks: https://paradigmas.online/?p=411

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here