Gelo marinho da Antártica encontra-se em níveis recordes

0
80
Gelo marinho da Antártica
Gelo marinho da Antártica

Os blocos de gelo da Antártica estenderam-se mais do que nunca no inverno do sul de 2014, confundindo os modelos climáticos mais confiáveis ​​do mundo.

“Não era esperado”, afirmou o professor John Turner, especialista em clima do British Antarctic Survey. “Os 50 melhores modelos do mundo foram executados e 95% deles têm o gelo marinho da Antártica diminuindo nos últimos 30 anos”.

Extensão média do mar do Antártica
Extensão média do mar do Antártica

O gelo de inverno ao redor do continente do sul tem crescido de forma relativamente constante desde que os registros começaram em 1979. O Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo dos Estados Unidos (NSIDC), que monitoriza o gelo marinho utilizando dados de satélite, afirmou que o máximo do ano é de 1,54 por metro quadrado. acima da média de 1981 a 2010. Os últimos três invernos produziram níveis recordes de gelo.

Isso contrasta fortemente com o declínio contínuo do gelo marinho no Ártico, que novamente registrou níveis de gelo abaixo da média, durante o verão. Os 10 mínimos de gelo marinho mais baixos registrados, ou seja, a extensão mais baixa de gelo marinho no verão, ocorreram nos últimos 10 anos. Esse declínio é consistente com os modelos climáticos, cada um dos quais prevê que as contínuas emissões de gases do efeito estufa acabarão por causar o desaparecimento completo do gelo ártico no verão.

Mas a doutora Claire Parkinson, cientista do Goddard Space Flight Center da NASA, afirmou que o aumento do gelo da Antártica não contradiz a tendência geral de aquecimento. No geral, a Terra está a perder gelo marinho a uma taxa de 35 mil quilómetros quadrados por ano.

“Nem todos os locais da Terra estão a ter as mesmas respostas às mudanças climáticas. O facto de que o gelo numa parte do mundo está a fazer uma coisa e noutra parte o gelo está a fazer outra, não é surpreendente. A Terra é grande e conforme o clima muda, é normal ver coisas diferentes a acontecer”, afirmou Parkinson.

Num vídeo efectuado pelo leitor e jornalista Audit Fraser Johnston, o doutor Guy Williams, cientista do gelo marinho do Instituto Tasmaniano de Estudos Marinhos e Antárticos (IMAS), afirma que embora tenha enganado os modelos climáticos, o aumento do gelo marinho foi bem compreendido por cientistas.

“De certa forma, é um pouco contra-intuitivo para as pessoas que tentam entender como o aquecimento global está a afectar as nossas regiões polares, mas na verdade está completamente alinhado com a forma como os cientistas climáticos esperam que a Antártica e o oceano Antártico respondam. Particularmente no que diz respeito ao aumento dos ventos e do derretimento da água”, afirmou Williams.

Para explicar por que o gelo marinho da Antártida não se encaixa confortavelmente com uma narrativa simples de “mundo mais quente, menos gelo”, é necessário entender que o sistema climático tem muitas camadas de efeitos concorrentes. Frequentemente, apenas o maior deles será óbvio ou detectável.

“Actualmente, o efeito dos gases de efeito estufa está a ser ofuscado por outros fenómenos climáticos locais”, afirma Turner. “De longe, o maior impacto foi o buraco na camada de ozono. O sinal do aumento dos gases de efeito estufa está oculto sob todos os outros sinais”, conclui.

A redução da camada de ozono acima da Antártica durante o século passado pelas emissões de clorofluorcarbonos (CFCs) causou uma tendência geral de arrefecimento no continente.

O próprio ozono é um gás de efeito estufa e a sua redução fez com que mais calor reflectisse de volta ao espaço. Embora o buraco na camada de ozono tenha começado a mostrar os primeiros sinais de recuperação, os níveis ainda estão significativamente reduzidos. Parkinson diz que a perda de ozono é provavelmente o segundo maior impacto humano no clima global depois do dióxido de carbono.

Um dos efeitos da perda de ozono na Antártica tem sido o aumento da frequência e da ferocidade dos ventos e tempestades em todo o continente. De acordo com Turner, a redução da camada de ozono fez com que os ventos no oceano Antártico aumentassem entre 15% a 20%. Em particular, a tendência de arrefecimento pode ter causado o aumento de intensidade ou frequência de um sistema de baixa pressão no mar de Amundsen.

Tendências de concentração de gelo marinho
Tendências de concentração de gelo marinho

Este vórtice suga o ar do interior congelado do continente e corre para o oeste pelo Mar de Ross. É aqui que ocorreu 80% da expansão do gelo da Antártica.

O efeito da intensificação dos ventos é associado a um enorme despejo de água fria e doce no Mar de Ross do glaciar de Pine Island. Essa água, que flutua na superfície, é menos densa, mais fria e congela mais facilmente do que a água do mar abaixo e, quando é atingida por ventos de tempestade vindos do continente, forma blocos de gelo.

Estima-se que o glaciar de Pine Island sozinho perde tanta água que é responsável por 10% da elevação anual global do nível do mar, que é cerca de 3 mm por ano. As correntes quentes vêm de águas profundas e aquecem a parte inferior da camada de gelo, fazendo com que ela derreta. Turner afirma que este processo provavelmente tem pouco a ver com o aquecimento global. “Pine Island parece ser um retiro contínuo que poderia durar 10 mil anos”, afirmou.

Para complicar ainda mais a “fotografia”, está o El Niño Oscilação Sul (ENSO), que Turner acredita ser um factor tanto no aumento das tempestades como nas correntes quentes que derretem o gelo.

Crescimento do gelo no Mar de Ross
Crescimento do gelo no Mar de Ross

O gelo marinho na Antártica é muito diferente da sua contraparte do norte. No sul, o gelo derrete quase completamente todos os anos. O novo gelo produzido a cada ano é mais fino e mais volátil do que o gelo mais antigo e estável do Ártico. Essas grandes flutuações, afirmou Turner, significam que a “entrada” de gases de efeito estufa ainda não era a força dominante no clima da região.

Parkinson diz que é provável que o aquecimento global acabe por superar esses outros fatores.

“Daqui a algumas décadas, pode acontecer que o gelo da Antártica diminua. Eu não acho que seria uma surpresa. Se o aquecimento atingir o nível que as pessoas pensam que poderá atingir nas próximas décadas, ele eventualmente atingirá a Antártica e o gelo marinho começará a diminuir”.

Fonte: theguardian.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here