O Cartel Phoebus

0
3675
Cartel Phoebus
Cartel Phoebus

O cartel Phoebus foi um cartel, no qual constava entre outros, a Osram, a Philips e a General Electric que a partir de 23 de Dezembro de 1924 até 1939 existiu para controlar o fabrico e venda de lâmpadas.

O cartel foi um passo importante na história da economia mundial, por causa de seu suposto envolvimento na criação em grande escala da Obsolescência Programada.

O cartel reduziu a competição na indústria de lâmpadas por quase 20 anos, e foi acusado de impedir os avanços tecnológicos que teriam produzido lâmpadas de longa duração. O cartel Phoebus também é destaque em forma de ficção como um pequeno elemento do enredo “Gravity´s Rainbow” (Arco-iris da gravidade) uma novela de Thomas Pynchon, que levou a alguma confusão entre factos e ficção.

Phoebus foi oficialmente uma empresa suíça chamada “Phoebus SA Compagnie Industrielle pour le Développement de l’Éclairage” (Phoebus SA companhia industrial para o desenvolvimento da iluminação).

Membros

Osram, Philips, Tungsram, Associated Electrical Industries, Compagnie des Lampes, International General Electric, e GE Group Overseas eram membros do cartel Phoebus. Eles possuíam acções da empresa suíça, proporcionais às suas vendas de lâmpadas.

Em 1921, uma organização precursora foi fundada pela Osram, a “Internationale Glühlampen Preisvereinigung“. Quando a Philips e outros fabricantes estavam a entrar no mercado americano, a General Electric reagiu criando o “International General Electric Company” em Paris. Ambas as organizações foram envolvidas em patentes de comércio e de ajustes na penetração de mercado. Uma crescente concorrência internacional levou a negociações entre todas as grandes empresas para controlar e restringir as suas respectivas actividades, a fim de não interferir nas esferas uns dos outros.

Propósito

 

O cartel serviu como uma forma conveniente de redução de custos e supostamente encetou esforços consideráveis ​​para limitar a expectativa de vida das lâmpadas a 1000 horas, e, aomesmo tempo, praticar preços sem medo da concorrência. Uniformização das lâmpadas foi outro dos efeitos colaterais do cartel.

No entanto, 1.000 horas, foi uma expectativa de vida razoável óptima para a maioria das lâmpadas. Uma vida útil mais longa, só poderia ser obtida apenas à custa da eficiência: mais electricidade seria desperdiçada na forma de calor e menos luz seria obtida.

O cartel Phoebus, dividiu os mercados mundiais de lâmpadas em três categorias:

  • 1) Territórios de origem, o país de origem dos fabricantes individuais.
  • 2) Territórios britânicos no exterior, sob o controle da Associated Industries Eléctrica, Osram, Philips e Tungsram.
  • 3) Território comum, o resto do mundo.

Fim do cartel

No final de 1920 uma união escandinava de empresas “The North European Luma Co-op Society” começou a planear um centro de produção independente. As ameaças económicas e jurídicas perpetradas pela Phoebus não obtiveram o efeito desejado, e em 1931, os escandinavos produziam e vendiam lâmpadas a um preço consideravelmente mais baixo do que o cartel Phoebus.

O acordo original Phoebus fora destinado a expirar em 1955, no entanto, o início da Segunda Guerra Mundial interrompeu o funcionamento do cartel. Remanescentes do cartel Phoebus foram ressuscitadas em 1948.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here