O que a imprensa não disse sobre a crise na Grécia segundo Chris Kanthan

0
104
Crise na Grécia
Crise na Grécia

Todos os principais meios de comunicação social têm a mesma narrativa para a crise económica na Grécia: o governo gastou demasiado dinheiro e ficou falido; os bancos generosos deram-lhes dinheiro, mas a Grécia ainda não pode pagar as contas porque geriu mal o dinheiro que lhes foi dado.

No entanto é uma grande mentira não só sobre a Grécia, mas sobre outros países europeus como Espanha, Portugal, Itália e Irlanda que estão todos a experimentaram vários graus de austeridade. Foi também a mesma mentira que foi utilizada por bancos e empresas para explorar muitos países da América Latina, Ásia e África durante muitas décadas.

Em resumo, os bancos arruinaram o governo grego e empurraram-no deliberadamente para uma dívida insustentável, para que os oligarcas e corporações internacionais pudessem lucrar com o caos e a miséria que se seguiram.

Agora, vamos mapear a história das finanças internacionais em quatro fases.

Etapa 1: A primeira e principal razão pela qual a Grécia se meteu em problemas foi a “Grande Crise Financeira” de 2008, que foi a génese de Wall Street e dos banqueiros internacionais. Na qual, os bancos tiveram uma ideia espectacular de dar hipotecas subprime a qualquer pessoa. Depois embalaram todas estas bombas financeiras e venderam-nas como “títulos garantidos por hipotecas” com um enorme lucro a várias entidades financeiras em países de todo o mundo.

Tony Blair
Tony Blair

Um grande facilitador desta actividade criminosa foi outro ramo do sistema bancário, o grupo de agências de rating – S&P, Fitch e Moody’s – que atribuíram classificações estelares a estes produtos financeiros destinados a falhar. Políticos sem escrúpulos como Tony Blair foram pagos pelos grandes bancos para vender estes títulos perigosos a fundos de pensões e municípios e países de toda a Europa. Os bancos e os gurus de Wall Street fizeram centenas de biliões de dólares neste esquema.

Etapa 2: foi quando as bombas-relógio financeiras explodiram. Os bancos comerciais e de investimento em todo o mundo começaram a entrar em colapso numa questão de semanas. Os governos a nível local e regional viram os seus investimentos e activos evaporar-se.

Goldman Sachs
Goldman Sachs

Abutres como a Goldman Sachs e outros grandes bancos lucraram enormemente de três formas: podiam comprar outros bancos como os Lehman Brothers e o Washington Mutual por cêntimos de dólar. Segundo, mais hediondamente, o Goldman Sachs e os iniciados como John Paulson tinham efectuado apostas de que estes títulos iriam explodir. Paulson fez milhares de milhões de dólares e os meios de comunicação social celebraram a sua perspicácia. Em terceiro lugar, os grandes bancos exigiram um salvamento aos próprios cidadãos cujas vidas os banqueiros tinham arruinado.

Na Grécia, os bancos domésticos receberam mais de 30 mil milhões de dólares de resgate do povo grego.

Etapa 3: foi quando os bancos forçam o governo a aceitar dívidas massivas. Para uma metáfora de biologia, considere um vírus ou uma bactéria. Todos eles têm estratégias únicas para enfraquecer o sistema imunitário do hospedeiro. Uma das técnicas comprovadas utilizadas pelos banqueiros internacionais é a de rebaixar os laços de um país. Foi exactamente isso que os banqueiros fizeram, a começar no final de 2009. Isto faz subir imediatamente as taxas de juro (“yields“) dos títulos, tornando cada vez mais caro para o país pedir dinheiro emprestado ou até mesmo simplesmente rolar sobre os títulos existentes.

De 2009 a meados de 2010, os rendimentos das obrigações gregas a 10 anos quase triplicaram! Este cruel assalto financeiro colocou o governo grego de joelhos e os banqueiros ganharam o seu primeiro acordo de dívida de 110 mil milhões de euros.

Os bancos também controlam a política das nações. Em 2011, quando o primeiro-ministro grego se recusou a aceitar um segundo salvamento, os bancos obrigaram-no a sair e substituíram-no imediatamente pelo vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) Não foram necessárias eleições.

Banco Central Europeu
Banco Central Europeu

No dia seguinte, aconteceu exactamente a mesma coisa em Itália onde o primeiro ministro se demitiu, para ser substituído por um banqueiro economista. Dez dias depois, a Espanha teve uma eleição prematura, em que um banqueiro venceu a eleição.

Poucos meses depois, em 2012, a manipulação exacta do mercado obrigacionista foi utilizada quando os banqueiros aumentaram os rendimentos dos títulos gregos para 50. O parlamento grego concordou com um segundo resgate, ainda maior do que o primeiro.

Os empréstimos não são apenas simples empréstimos como os que se obteriam com um cartão de crédito ou um banco. Estes são empréstimos vêm com cordões muito especiais ligados que exigem a privatização dos bens de um país.

Etapa 4: Agora, a violação e humilhação de uma nação começa sob o nome de “austeridade” ou “reformas estruturais”. Para a dívida que lhe foi imposta, a Grécia teve de vender muitos dos seus activos lucrativos a oligarcas e empresas internacionais. As privatizações são impiedosas, envolvendo qualquer coisa que seja rentável. Na Grécia, as privatizações incluíram água, electricidade, correios, serviços aeroportuários, bancos nacionais, telecomunicações, autoridades portuárias, etc. Evidentemente, os banqueiros exigem sempre a privatização imediata de todos os meios de comunicação social, o que significa que o país recebe âncoras fotogénicas de televisão que lançam propaganda pré-estabelecida todos os dias e dizem ao povo que os banqueiros corruptos e gananciosos são salvadores e que a austeridade é muito melhor do que a alternativa.

Grande Depressão nos Estados Unidos da América
Grande Depressão nos Estados Unidos da América

Então o que acontece depois da privatização e do despotismo sob a égide dos banqueiros? Claro, as receitas do governo diminuem e a dívida aumenta ainda mais. Como se “corrige” isso? Cortar nas despesas! Despedir trabalhadores públicos, cortar o salário mínimo, cortar pensões, cortar serviços públicos e aumentar os impostos sobre coisas que afectariam os 99% mas não o 1%. Por exemplo, a pensão foi reduzida para metade e o imposto sobre as vendas aumentou para mais de 20%. Todas estas medidas levaram a Grécia a passar por uma calamidade financeira que é pior do que a Grande Depressão dos Estados Unidos da América na década de 1930.

Qual foi a solução proposta pelos banqueiros? Impostos mais elevados. Mais cortes na pensões.

Se todos os gregos soubessem a verdade sobre a austeridade, não teriam caído nessa armadilha. O mesmo se aplica à Espanha, Itália, Portugal, Irlanda e outros países que passaram pela austeridade. O aspecto triste de tudo isto é que estas não são estratégias únicas. Desde a Segunda Guerra Mundial, estas práticas têm sido utilizadas inúmeras vezes pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Mundial na América Latina, Ásia, e África.

Fonte: «Greece – What You are not Being Told by the Media», Nation of Change. 5 de Julho de 2015

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here