Previsões apontam que Portugal será a próxima crise da zona euro

0
56
Crise económica portuguesa
Crise económica portuguesa

Portugal é a bomba-relógio à espera de explodir.

Porquê? Porque o país tem acumulado dívidas insustentáveis, a maior parte do dinheiro é devida a estrangeiros, e com a economia ainda em grandes dificuldades pode também ter de falhar.

Em 2011 e 2012, quando a crise do euro se reacendeu pela primeira vez, três países foram à falência.

Destes, a Grécia ainda esteve nos cuidados intensivos e parece provável que assim continue num futuro previsível, os gregos parecem dispostos a fazer o suficiente para permanecer na zona euro, enquanto o resto da Europa está disposto a oferecer-lhe dinheiro suficiente para se manter à tona, tornando-o impossível de crescer.

A Irlanda, que foi sempre a mais forte das três nações falidas, está a crescer novamente a um ritmo razoável, ajudada pela recuperação robusta no Reino Unido, que continua a ser o seu principal mercado de exportação.

E depois há Portugal, que não se encontra em crise permanente ao estilo grego e ainda não parece ser capaz de uma recuperação sustentável.

Banco Central Europeu
Banco Central Europeu

Na superfície, Portugal parece estar em muito melhor forma do que há anos atrás. Saiu do esquema de resgate, depois de ter atingido os objectivos do Banco Central Europeu (BCE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). A economia está a começar a expandir-se novamente. O produto interno bruto aumentou 0,4% no último trimestre, estendendo a corrida a um ano inteiro de expansão, elevando a taxa de crescimento anual até 1,5%. Prevê-se uma expansão de mais 1,6% este ano.

Se Portugal conseguir efectivamente recuperar, isso seria uma grande vitória para a União Europeia (UE) e para o Fundo Monetário Internacional. A sua mistura catastrófica de desvalorização interna e austeridade parece ter sido um completo fracasso na Grécia, mas se conseguirem fazer funcionar tanto na Irlanda como em Portugal, a reputação de ambas as instituições poderá ser recuperada.

A recuperação não parece ser muito durável. É impulsionada principalmente pelos gastos dos consumidores e por um aumento cíclico do investimento. Mas as exportações continuam a diminuir, e o desemprego continua a aumentar, os últimos números mostram-no até 13,7% da força de trabalho.

Eurostat
Eurostat

A verdadeira questão, contudo, é a dívida. De acordo com os últimos números do Eurostat, a agência estatística da UE, o rácio da dívida de Portugal em relação ao PIB subiu para 130%. Um pouco mais preocupante é o facto de 70% dessa dívida ser detida por estrangeiros.

Alguns países como a Finlândia ou a Letónia têm a maior parte da sua dívida detida por estrangeiros, mas estão na feliz posição de não ter muito da mesma. Outros países, como a Itália, têm muita dívida, mas estão na posição afortunada de ter a maior parte da sua propriedade a nível interno.

Os portugueses estão perto de ser únicos, tendo ambos dívidas muito elevadas e sendo a maior parte deles propriedade no estrangeiro. Nem termina aí. Uma vez adicionada a dívida das famílias e das empresas, Portugal tem mais dívida no total do que qualquer outro país da zona euro, incluindo a Grécia, que tem principalmente dívida do governo para lidar com ela. Não há números fiáveis sobre a quem pertence essa dívida, mas é uma aposta justa que também é na sua maioria, estrangeira.

Enquanto a economia for estável e o governo estiver seguro, isso pode não ser um problema. Portugal não parece ter esse luxo.

Divida pública de países europeus
Divida pública de países europeus

Até agora, há poucas provas de que os investidores estejam a ficar nervosos com isso. Os rendimentos das obrigações portuguesas a 10 anos voltaram a subir até 2,7%, contra os 1,6% atingidos no início deste ano, mas não se aproximam dos 14% atingidos no auge da crise. As acções portuguesas recuperaram a maior parte das suas perdas sofridas com a falência do país, mesmo que não tenham voltado aos níveis de 2011.

Mas deveriam estar. Todas as evidências sugerem que, uma vez que o rácio dívida/PIB sobe para o escalão dos 130% e acima é basicamente insustentável. Um país tem de crescer a mais de 3% simplesmente para manter as suas dívidas no mesmo nível  e não há absolutamente nada que sugira que Portugal possa alcançar isso ou algo parecido.

A dada altura, todos aqueles detentores estrangeiros de dívidas portuguesas vão aperceber-se de que terá de ser anulado, pelo menos em parte. Quando isso acontecer, haverá uma debandada para vender.

Neste momento, os mercados acreditam que a Grécia pode ser contida. Talvez possa. Mas Portugal também? Isso parece improvável. A maioria das pessoas pensa que o centro da crise da zona euro está em Atenas, mas pode muito bem-estar em Lisboa.


Fonte: «Forget Greece, Portugal is the eurozone’s next crisis», MarketWatch. 24 de Junho de 2015

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here