Médicos emitem alerta relativo à iluminação pública LED

0
17
Iluminação de rua LED
Iluminação de rua LED

A American Medical Association (AMA) acaba de adoptar uma declaração oficial de política sobre a iluminação pública: resfrie e diminua a intensidade.

A declaração, adoptada por unanimidade na reunião anual da AMA em Chicago a 14 de Junho, vem em resposta ao surgimento de novas lâmpadas de LED nas ruas que estão a “espalhar-se” pelo país. Um comitê da AMA divulgou diretrizes sobre como as comunidades podem escolher postes de LED para “minimizar os efeitos prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente”.

Os municípios estão a substituir as lâmpadas de rua existentes por LEDs eficientes e duradouras para economizar energia e manutenção. Embora os postes de luz estejam a dar esses benefícios, a postura do AMA reflecte a importância do design adequado de novas tecnologias e a estreita conexão entre a luz e a saúde humana.

American Medical Association
American Medical Association

A declaração da AMA recomenda que a iluminação externa à noite, especialmente a iluminação pública, deve ter uma temperatura de cor não superior a 3 mil Kelvin (K). A temperatura de cor (CT) é uma medida do conteúdo espectral da luz de uma fonte, quanto azul, verde, amarelo e vermelho existe nele. Uma classificação de CT mais alta geralmente significa maior conteúdo de azul e mais branca a luz aparece.

Um LED branco com temperatura de cor de 4 mil Kelvin ou 5 mil Kelvin contém um alto nível de luz azul de comprimento de onda curta, esta tem sido a escolha de inúmeras cidades que recentemente reformaram a sua iluminação pública, como Seattle e Nova York.

Mas surgiram reclamações sobre essas luzes. Um exemplo extremo é a cidade de Davis, Califórnia, onde os residentes exigiram um substituição completa dessas luzes de rua de LED de alta temperatura de cor.

As comunidades podem ter uma iluminação mais eficiente sem causar problemas de saúde e segurança?

Dois problemas com iluminação de rua por LED

Uma lâmpada incandescente tem uma temperatura de cor de 2400 Kelvin, o que significa que contém muito menos comprimentos de onda azuis e muito mais amarelos e vermelhos. Antes da luz elétrica, queimávamos lenha e velas à noite; esta luz artificial tem uma temperatura de cor de cerca de 1800 Kelvin, bastante amarelo / vermelho e quase nenhum azul. O que temos agora é muito diferente.

Iluminação LED
Iluminação LED

A nova iluminação pública LED “branca”, que está a ser rapidamente adaptada nas cidades dos Estados Unidos da América, têm dois problemas, de acordo com a AMA. O primeiro é o desconforto e o brilho. Como a luz LED é muito concentrada e possui alto teor de azul, a qual pode causar brilho intenso, resultando em constrição pupilar nos olhos. A luz azul espalha-se mais no olho humano do que os comprimentos de onda mais longos de amarelo e vermelho. níveis suficientes podem danificar a retina. Isto pode causar problemas de visão para condução de viaturas ou caminhar de forma segura à noite.

Podemos sentir isso facilmente se olharmos diretamente para uma das luzes de controle na sua nova máquina de lavar ou noutro aparelho, é muito difícil de fazer porque dói. A iluminação pública pode ter o mesmo efeito, especialmente se o seu conteúdo de azul for alto e não existir blindagem adequada.

A outra questão abordada pela declaração da AMA é o impacto na ritmicidade circadiana humana.

A temperatura de cor prevê de forma confiável o conteúdo espectral da luz, isto é, quanto de cada comprimento de onda está presente. Ele foi projetado especificamente para a luz que sai do filamento de tungstênio de uma lâmpada incandescente.

No entanto, a classificação de temperatura de cor não mede com segurança a cor de lâmpadas fluorescentes e LED.

Outro sistema para medir a cor da luz para essas fontes é chamado de temperatura de cor correlacionada (CCT). Este ajusta o conteúdo espectral da fonte de luz à sensibilidade de cor da visão humana. Utilizando esta classificação, duas fontes de luz de 3 mil Kelvin diferentes podem ter diferenças bastante grandes no conteúdo de luz azul.

Portanto, a recomendação da AMA para a temperatura de cor correlacionada abaixo de 3 mil Kelvin não é suficiente para garantir que a luz azul seja minimizada. A irradiância espectral real do LED e as quantidades relativas de cada uma das cores produzidas, também deve ser consideradas.

A razão pela qual a iluminação é importante

A declaração de política da AMA é particularmente oportuna porque o novo Atlas Mundial de Brilho do Céu Noturno Artificial apareceu e a iluminação pública é uma componente importante da poluição luminosa. De acordo com a declaração da AMA, uma das considerações de iluminar a noite é o seu impacto na saúde humana.

Atlas Mundial de Brilho do Céu Noturno Artificial
Atlas Mundial de Brilho do Céu Noturno Artificial

A iluminação afeta a nossa fisiologia circadiana normal, isso pode levar a algumas consequências graves para a saúde e mais recentemente, como a iluminação noturna afecta o sono.

No caso da luz LED branca, estima-se que seja cinco vezes mais eficaz na supressão da melatonina à noite do que as lâmpadas de sódio de alta pressão, que têm sido o esteio da iluminação pública durante décadas. A supressão da melatonina é um marcador de perturbação circadiana, que inclui sono interrompido.

A forte iluminação eléctrica também pode afetar adversamente a vida selvagem, por exemplo, perturbando os padrões migratórios de pássaros e alguns animais aquáticos que nidificam na costa.

Iluminação pública e saúde humana

A AMA fez três recomendações na sua nova declaração de política:

  • Primeiro, a AMA apoia uma “conversão adequada para iluminação com díodo emissor de Luz (LED) baseada na comunidade, que reduz o consumo de energia e diminui a utilização de combustíveis fósseis”.
  • Em segundo lugar, a AMA “incentiva a minimização e o controle da iluminação ambiental rica em azul utilizando a menor emissão de luz azul possível para reduzir o brilho”.
  • Em terceiro lugar, a AMA “encoraja a utilização de 3 mil Kelvin ou menos iluminação para instalações ao ar livre, como estradas. Toda a iluminação LED deve ser devidamente blindada para minimizar o brilho e os efeitos humanos e ambientais prejudiciais e deve considerar-se a utilização da capacidade de iluminação por LED, deve ser diminuída para períodos fora de pico”.

Raramente existe uma solução completamente satisfatória para um problema complexo. Devemos ter iluminação à noite, não só nas nossas casas e empresas, mas também ao ar livre nas nossas ruas. A necessidade de eficiência energética é séria, mas também o é para minimizar o risco humano de má iluminação, tanto devido ao brilho intenso como à interrupção circadiana. A tecnologia LED pode otimizar ambos quando projetada corretamente.

Fonte: cnn.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here