A manipulação da CIA segundo Phil Agee

0
74
Phil Agee
Phil Agee

O jornalismo verdadeiramente objectivo valorizaria os factos e a exactidão acima de tudo, mas a grande imprensa dos Estados Unidos da América, enquanto finge ser “objectiva”, valoriza muito mais o falso patriotismo, como é evidente com os recentes denunciantes, tal como foi com a hostilidade para com o falecido Phil Agee que expôs os crimes da CIA.

Antes de Edward Snowden, William Binney, Thomas Drake, Bradley Manning, Sibel Edmonds e Jesselyn Radack houve Philip Agee. O que Agee revelou é ainda a informação mais surpreendente e importante sobre a política externa dos EUA que qualquer denunciante do governo americano alguma vez revelou.

Inside the Company: Diário da CIA
Inside the Company: Diário da CIA

Philip Agee passou 12 anos (1957-69) como oficial de casos da CIA, a maior parte deles na América Latina. O seu primeiro livro, Inside the Company: Diário da CIA, publicado em 1974,  um trabalho pioneiro sobre os métodos da Agência e as suas consequências devastadoras, apareceu em cerca de 30 línguas por todo o mundo e foi um best-seller em muitos países. Incluía um apêndice de 23 páginas com os nomes de centenas de agentes e organizações infiltrados da Agência.

Sob manipulação, direcção e geralmente na folha de pagamentos da CIA, foram presidentes passados e presentes do México, Colômbia, Uruguai e Costa Rica, “o nosso ministro do trabalho”, “o nosso vice-presidente”, ” a minha polícia”, jornalistas, líderes trabalhistas, líderes estudantis, diplomatas, e muitos outros. Se a Agência quisesse divulgar propaganda anticomunista, causar dissensões nas fileiras de esquerda, ou mandar expulsar pessoal da embaixada comunista, bastaria preparar alguns documentos falsos, apresentá-los aos ministros e jornalistas governamentais competentes.

O objectivo de Agee ao nomear todos estes indivíduos, muito simplesmente, era o de tornar o mais difícil possível para a CIA continuar a fazer o seu “trabalho sujo”.

Uma táctica comum da Agência era escrever editoriais e notícias falsas (fake news) para serem publicadas conscientemente pelos meios de comunicação social latino-americanos, sem qualquer indicação da autoria da CIA ou do pagamento da CIA aos meios de comunicação social. O valor propagandístico de uma tal “notícia” poderia ser multiplicado por ser recolhida por outras estações da CIA na América Latina que a divulgariam através de uma agência noticiosa de propriedade da CIA ou de uma estação de rádio de propriedade da CIA. Algumas destas histórias regressaram aos Estados Unidos para serem lidas ou ouvidas por norte-americanos desconhecedores.

A cortejar a classe trabalhadora veio um tratamento especial. Organizações trabalhistas à dúzia, por vezes pouco mais do que nomes em papelaria, foram criadas, alteradas, combinadas, liquidadas, e novamente criadas, numa tentativa quase frenética de encontrar a combinação certa para competir com os sindicatos existentes orientados para a esquerda e tirar-lhes a liderança nacional.

Em 1975 estas revelações foram novas e chocantes. Para muitos leitores foi a primeira dica de que a política externa americana não era bem o que os seus manuais escolares lhes haviam mencionado nem o que o New York Times tinha relatado.

Miles Copeland
Miles Copeland

“Tão completo relato do trabalho de espionagem como provavelmente será publicado em qualquer lugar, um relato autêntico de como funciona um “case officer” americano. Tudo isto apresentado com uma precisão mortal”, escreveu Miles Copeland, um antigo chefe de estação da CIA e inimigo de Agee. Não existe ex-oficial da CIA mais odiado pelos membros do estabelecimento de inteligência do que Agee. Ninguém está perto, devido em parte à sua viagem a Cuba e ao seu contacto a longo prazo com a inteligência cubana.

Em contraste com Agee, o WikiLeaks reteve os nomes de centenas de informadores dos cerca de 400 mil documentos da guerra do Iraque que divulgou.

Em 1969, Agee demitiu-se da CIA.

Enquanto fugia da CIA escrevia o livro Inside the Company, por vezes literalmente correndo pela sua vida, Agee foi expulso de, ou viu recusada a admissão em Itália, Grã-Bretanha, França, Alemanha Ocidental, Holanda e Noruega. A Alemanha Ocidental acabaria por lhe dar asilo porque a sua esposa era uma das principais bailarinas do país.

Fonte: globalresearch.ca

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here