Taxa de fertilidade encontra-se em queda

0
98
Fertilidade feminina
Fertilidade feminina

Taxas de fertilidade em queda significam que quase todos os países podem ter populações em declínio até o final do século.

23 Nações, incluindo Espanha e Japão, deverão ver as suas populações reduzidas para metade até 2100.

Os países também envelhecerão dramaticamente, com tantas pessoas a chegar aos 80 anos como estão a nascer.

O que está acontecendo?

A taxa de fertilidade, o número médio de filhos que uma mulher dá à luz, está a cair.

Se o número cair abaixo de aproximadamente 2,1, o tamanho da população começa a diminuir.

Em 1950, as mulheres tinham em média 4,7 filhos ao longo da vida.

Taxa de fertilidade global
Taxa de fertilidade global

Pesquisadores do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington mostraram que a taxa global de fertilidade caiu quase para metade, para 2,4 em 2017 e o seu estudo, projecta que cairá para menos de 1,7 em 2100.

Como resultado, os pesquisadores esperam que o número de pessoas no planeta chegue a 9,7 biliões por volta de 2064, antes de cair para 8,8 biliões até o final do século.

“Isso é algo muito grande, a maior parte do mundo está em transição para o declínio natural da população”, afirmou o pesquisador professor Christopher Murray.

“Acho que é incrivelmente difícil de pensar nisso e reconhecer o quão grande isto é. É extraordinário, teremos que reorganizar as sociedades”, continuou.

Porque estão a cair as taxas de fertilidade?

Não tem nada a ver com a contagem de espermatozoides ou com as coisas habituais que vêm à mente quando se fala de fertilidade.

Está a ser impulsionado por existirem mais mulheres na educação e no trabalho,, bem como maior acesso a métodos anticoncepcionais, fazendo com que as mulheres optem por ter menos filhos.

De muitas formas a queda nas taxas de fertilidade é uma história de sucesso.

Quais países serão mais afetados?

A população do Japão está projectada para cair de um pico de 128 milhões em 2017 para menos de 53 milhões até o final do século.

Espera-se que a Itália sofra uma queda populacional igualmente dramática de 61 milhões para 28 milhões no mesmo período.

São dois dos 23 países, que também incluem Espanha, Portugal, Tailândia e Coreia do Sul, que deverão ver a sua população cair para mais da metade.

“Isso é de cair o queixo”, afirmou o professor Christopher Murray.

População em 2017 e projecção de população para 2100
População em 2017 e projecção de população para 2100

A China, actualmente a nação mais populosa do mundo, deve atingir o pico de 1,4 bilião de pessoas em quatro anos, antes de cair quase para metade, 732 milhões, em 2100. A Índia assumirá o seu lugar.

Prevê-se que o Reino Unido atinja o pico de 75 milhões em 2063 e caia para 71 milhões em 2100.

No entanto, este será um problema verdadeiramente global, com 183 dos 195 países a possuir uma taxa de fertilidade abaixo do nível de reposição.

Por que razão isto é um problema?

O leitor pode pensar que isso é óptimo para o meio ambiente. Uma população menor reduziria as emissões de carbono, bem como o desmatamento para terras agrícolas.

“Isso seria verdade, excepto para a estrutura de idade invertida (mais idosos do que jovens) e todas as consequências uniformemente negativas de uma estrutura de idade invertida”, afirma o professor Murray.

Os projectos de estudo:

• O número de menores de cinco anos cairá de 681 milhões em 2017 para 401 milhões em 2100.
• O número de pessoas com mais de 80 anos aumentará de 141 milhões em 2017 para 866 milhões em 2100.

O professor Murray acrescenta: “Isso criará uma enorme mudança social. Isso preocupa-me porque tenho uma filha de oito anos e questiono-me como vai ser o mundo”.

Quem pagará impostos num mundo extremamente envelhecido? Quem paga os cuidados de saúde para os idosos? Quem cuida dos idosos? As pessoas ainda poderão reformar-se do trabalho?

“Precisamos de uma aterragem suave”, argumenta o professor Murray.

Christopher Murray
Christopher Murray

Existem soluções?

Países, incluindo o Reino Unido, utilizaram a migração para aumentar a sua população e compensar a queda nas taxas de fertilidade.

No entanto, isso deixa de ser a resposta, uma vez que a população de quase todos os países está a diminuir.

“Sairemos do período em que é uma escolha abrir ou não as fronteiras para a competição franca pelos migrantes, pois não haverá o suficiente”, argumenta o professor Murray.

Alguns países tentaram políticas como licenças de maternidade e paternidade aprimoradas, creches gratuitas, incentivos financeiros e direitos extras de emprego, mas não há uma resposta clara.

A Suécia elevou a sua taxa de fertilidade de 1,7 para 1,9, mas outros países que fizeram um esforço significativo para lidar com o “baby bust” tiveram dificuldades. Singapura ainda tem uma taxa de fertilidade por volta de 1,3.

O professor Murray afirma: “Acho que as pessoas acho isto hilariante, elas não podem imaginar que possa ser verdade, elas acham que as mulheres simplesmente decidirão ter mais filhos.

“Senão conseguirmos, encontrar uma solução, então, eventualmente, a espécie vai desaparecer, mas isso daqui a alguns séculos.”

Como os países lutam contra a queda nas taxas de natalidade?

Os pesquisadores alertam contra desfazer o progresso na educação das mulheres e no acesso à contracepção.

Stein Emil Vollset
Stein Emil Vollset

O professor Stein Emil Vollset afirmou: “Responder ao declínio da população provavelmente irá tornar-se uma preocupação política primordial em muitas nações, mas não deve comprometer os esforços para melhorar a saúde reprodutiva das mulheres ou o progresso nos direitos das mulheres”.

E relativamente a África?

A população da África Subsaariana deve triplicar de tamanho para mais de três biliões de pessoas em 2100.

E o estudo diz que a Nigéria irá tornar-se o segundo maior país do mundo, com uma população de 791 milhões.

O professor Murray afirma: “Teremos muito mais afrodescendentes em muitos mais países à medida que passarmos por isso”.

“O reconhecimento global dos desafios em torno do racismo serão ainda mais críticos se existirem um grande número de afrodescendentes em muitos países”.

Por que 2,1 é o limite da taxa de fertilidade?

O leitor pode pensar que o número deveria ser 2,0, dois pais têm dois filhos, então a população permanece do mesmo tamanho.

Mas mesmo com os melhores cuidados de saúde, nem todas as crianças sobrevivem até a idade adulta. Além disso, os bebés têm uma probabilidade ligeiramente maior de ser do sexo masculino. Isso significa que o valor de substituição é de 2,1 nos países desenvolvidos.

Nações com mortalidade infantil mais alta também precisam de uma taxa de fertilidade mais alta.

O que dizem os especialistas?

Ibrahim Abubakar
Ibrahim Abubakar

O professor Ibrahim Abubakar, da University College London (UCL), afirmou: “Se essas previsões estiverem minimamente parcialmente precisas, a migração irá tornar-se uma necessidade para todas as nações e não uma opção.

“Para ter sucesso, precisamos repensar os fundamentos da política global. A distribuição das populações em idade produtiva será crucial para que a humanidade prospere ou diminua”, concluiu.

Fonte: bbc.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here