Os bodes expiatórios dos políticos

0
444
Bodes expiatórios
Bodes expiatórios

Lisboa foi alagada pelas chuvas fortes.

Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, prontificou-se a culpabilizar as “alterações climáticas”. [1]

Mas Mário Marques, climatologista, [8] com acesso a dados recolhidos em várias estações no país, afirmou, que houve registo de precipitações mais intensas nas décadas de 80 e 90 do século 20, do que propriamente no século 21, desmentindo um propalado agravamento das condições climatéricas. Responsabilizou, isso sim, uma má gestão do território e uma má prevenção e planeamento, no sucedido em Lisboa. [Vídeo Abaixo]

Este “sacudir a água do capote” por parte de políticos, fazendo recurso a bodes expiatórios é algo que acontece noutros âmbitos, como também ao nível da saúde, com os desinvestimentos sucessivos no Serviço Nacional de Saúde (SNS), ao invés de se precaver o gradual envelhecimento da população, com o previsto aumento de ocorrências hospitalares. A putativa pandemia COVID-19 veio servir como desculpa, sonegando-se anos de entupimento de serviços de urgência, [2] algo que, de resto, continua a acontecer, embora já não haja a desculpa COVID-19 (actualmente alega-se uma “pandemia tripla”). [3]

A designação “Alterações Climáticas” é bem mais insidiosa que “Aquecimento Global“. Pela impossibilidade de se verificar um inexorável aumento de temperaturas e derretimento total dos pólos, como previa Al Gore, em 2013, [4] alterou-se para algo que dá aso a que qualquer ocorrência climatérica seja denominada como “alterações climáticas”, com todo o peso associativo que tal acarreta.

Somos brindados com expressões impressionantes como “Rio Atmosférico” (vulgo, chuva), [5] “Célula Convectiva de Descargas Elétricas” (vulgo, relâmpagos), [6] e “Comboio de Tempestades”, (vulgo, não sei bem o quê), [7] que transmitem algo de estranho e invulgar, propício a insinuar a emergência de algo novo.

Fontes:

[1] «Moedas: Chuva faz “parte das mudanças climáticas”. E promete túneis de drenagem em Lisboa», Dn.pt. 08 de dezembro de 2022

[2] «COVID-19: A estranha amnésia dos técnicos de saúde», Paradigmas. 9 de Julho de 2021

[3] «Os serviços de urgência estão caóticos e há razões para isso. A tripledemia é uma delas», Nit.pt. 7 de Dezembro de 2022

[4] «Did Al Gore Predict Earth’s Ice Caps Would Melt by 2014?», Snopes. 17 de Abril de 22017

[5] «Portugal vai ser regado por um rio atmosférico. Vem aí muita chuva já esta terça-feira e deve ficar até meio da próxima semana», Observador. 17 de Outubro de 2022

[6] «Célula convectiva de descargas elétricas ‘rasgou’ o Minho de madrugada», O Minho. 29 de Outubro de 2022

[7] «Como o “comboio das tempestades” chegou “repentinamente” a Lisboa», Observador. 8 de Dezembro de 2022

[8] «Mário Marques – CEO & Founder Planoclima – Climatologista, Meteorologista, Agrometeorologista, Professor e Horticultor», Linkedin

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here